O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA ENTRE AULAS ONLINE E VIDEOAULAS: CONSTITUIÇÃO DOCENTE E ENSINO DE CIÊNCIAS DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2024.v15.2379

Palavras-chave:

Ensino de Biologia, Ensino de ciências, Formação Inicial

Resumo

Este relato de experiência expressa reflexões sobre a formação docente constituídas durante uma experiência de Estágio de Docência realizado no curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do Instituto Federal Farroupilha (IFFar), campus Santa Rosa, no primeiro semestre de 2020. O objetivo do relato é analisar e refletir sobre o Estágio de Docência e o cenário atual, uma vez que a pandemia fez reinventar o ensino, no contexto da Prática enquanto Componente Curricular III (PeCC III). Foram constituídos cinco cenários que permitem analisar o processo de investigação-ação crítica da professora-pesquisadora e estagiária no componente curricular da PeCC III: 1) Tecendo leituras da realidade: Estágio de Docência no Ensino Superior; 2) Resgatando o contexto histórico: das práticas de ensino à Prática enquanto Componente Curricular no Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas; 3) Planejamento da PeCC III: antes da pandemia; 4) As aulas da PeCC III durante a pandemia: ensino remoto, e agora?; 5) A reinvenção do ensino durante a pandemia: entre aulas online, videoaulas e relatos de experiência. Nesse sentido, relata-se o Estágio de Docência no Ensino Superior que contribuiu para a realização da pesquisa de mestrado da autora pós-graduanda, buscando-se contextualizar a PeCC III e o desenrolar dos cenários constituídos durante o primeiro semestre letivo de 2020. O componente curricular e o contexto de pandemia proporcionaram a imersão dos licenciandos no ensino remoto não só como estudantes, mas como professores, evidenciando a constituição docente em diferentes situações do exercício da profissão. Assim, avança-se nas reflexões sobre a constituição do conhecimento de professor, principalmente sobre a constante busca pelo conhecimento pedagógico de conteúdo e, principalmente, devido ao cenário pandêmico, pelo conhecimento tecnológico pedagógico de conteúdo. Dessa maneira, percebe-se como os professores formadores contribuem e fazem parte desse processo marcado pela reinvenção do ensino, de maneira remota e por meio de aulas online.

Biografia do Autor

Larissa Lunardi, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutoranda em Educação em Ciências pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e professora de Biologia na rede estadual de ensino do RS. Mestra em Ensino de Ciências pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Cerro Largo. Especialista em Ensino de Ciências da Natureza e Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa.

Rúbia Emmel, Instituto Federal Farroupilha (IFFAR)

Doutora em Educação nas Ciências. Professora da área da Pedagogia no Instituto Federal Farroupilha, Campus Santa Rosa. Professora permanente do Mestrado em Ensino de Ciências na Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Cerro Largo.

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BERVIAN, P. V.; PANSERA-DE-ARAÚJO, M. C. A investigação-formação-ação na constituição dos conhecimentos tecnológicos pedagógicos de conteúdo de professores de Ciências. Bio-grafía. Escritos sobre la Biología y su Enseñanza. Edición Extraordinaria. p.1623 –1636. 2019.

BOLZAN, D. P. V.; ISAIA, S. M. A.; MACIEL, A. M. R. Formação de professores: a construção da docência e da atividade pedagógica na Educação Superior. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 13, n. 38, p. 49-68, jan./abr. 2013.

BORGES, A. T. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 3, 2002.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 9, de 8 de maio de 2001. Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2001a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf>. Acesso em: 28 set 2020.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 28, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, de 6 de agosto de 2001, e discorre sobre a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2001b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf>.Acesso em: 28 set 2020.

BRASIL. Portaria CAPES nº 52, de 26 setembro de 2002. Aprova o novo Regulamento do Programa de Demanda Social em anexo. Brasília, DF, 2002. Disponível em: <http://www.ppged.ufcg.edu.br/images/7/71/Portaria_52_Regulamento_DS.pdf>. Acesso em: 28 set 2020.

BRASIL. Portaria nº 343 de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Brasília, DF, 2020a. Disponível em < https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376>. Acesso em: 28 set 2020.

BRASIL. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Instituto Federal Farroupilha, Campus Santa Rosa. 2014. Disponível em <https://www.iffarroupilha.edu.br/projeto-pedag%C3%B3gico-de-curso/campus-santa-rosa>. Acesso em: 28 set 2020.

BRASIL. Plano de Ensino da Prática enquanto Componente Curricular III. 2020b.

CARNIATTO, I. A formação do sujeito professor: investigação narrativa em ciências/biologia. Cascavel: Edunioeste, 2002.

CARR; W.; KEMMIS, S. Teoria crítica de la enseñanza: la investigación-acción en la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Rocca, 1988.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PEREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CONTRERAS, J. D. La investigación en la acción. Cuadernos de Pedagogia, n. 224, p. 7-31, abr. 1994.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. A pesquisa na formação e no trabalho docente. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

ELLIOTT, J. La investigación-acción en educación. Madrid: EdicionesMorata, 1990.

GASTAL, M. L. A.; AVANZI, M. R. Saber da experiência e narrativas autobiográficas na formação inicial de professores de biologia. Ciência e Educação, Bauru, v. 21, n. 1, p. 149-158, 2015.

GHEDIN, E; OLIVEIRA, E. S.; ALMEIDA, W. A. Estágio com pesquisa. São Paulo: Cortez, 2015.

PEREIRA, B.; MOHR, A. Origens e contornos da Prática como Componente Curricular. In: MOHR, A.; WIELEWICK, H. G. (org.) Prática como componente curricular: que novidade é essa 15 anos depois? 1. ed. Florianópolis: NUP/CED/UFSC, 2017.

PESSOA, G. P.; COSTA, F. J. TechnologicalPedagogicalContentKnowledge(TPACK) no ensino de ciências: qual é a possibilidade? In. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 10, 2015, Águas de Lindóia, SP. Anais [...] 2015.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C.; CAVALLET, V. J. Docência no ensino superior: construindo caminhos. In: BARBOSA, R. L. L. (org). Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

PIMENTEL, M.; ARAÚJO, R. Há conversação em sua aula online? SBC Horizontes, abr 2020. Disponível em: <http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/04/05/conversacaoonline/>. Acesso em 07 jul. 2020.

PIMENTEL, M.; ARAÚJO, R. #FiqueEmCasa, mas se mantenha ensinando-aprendendo: algumas questões educacionais em tempos de pandemia. SBC Horizontes, mar 2020. Disponível em: <http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/03/fiqueemcasa/>. Acesso em 07 jul. 2020.

PIMENTEL, M.; CARVALHO, F. S. P. Ambiências computacionais para dinamizar sua aula online: é hora de ocuparmos ciberespaços! SBC Horizontes, set 2020. ISSN 2175-9235. Disponível em: <http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/05/23/principios-educacao-online>. Acesso em: 28 set 2020.

PORLÁN, R.; MARTÍN, J. El diário del professor: un recurso para investigación en el aula. Diáda: Sevilla, 1997.

RIBEIRO, M. R.; CARVALHO, F. S. P.; SANTOS, R. Ambiências híbridas-formativas na educação online: desafios e potencialidades em tempos de cibercultura. Revista Docência e Cibercultura, v. 2, n. 1, p. 1-13, 2018.

ROSITO, B. A. O ensino de Ciências e a experimentação. In: MORAES, R. Construtivismo e ensino de Ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

SANTOS, E. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

SHULMAN, L. S. Conocimiento y enseñanza: fundamentos de la nueva reforma. Profesorado. Revista de currículum y formación del profesorado, v. 9, n. 2, 2005.

SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. EducationalResearcher, v. 15, n. 4, p. 4-14, 1986.

VERHINE, R. E.; DANTAS, L. M. V. Estágio de docência: conciliando o desenvolvimento da tese com a prática em sala de aula. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 4, n. 8, 11, 2007.

Downloads

Publicado

2024-02-26

Edição

Seção

Relato de Experiência