CONTRIBUIÇÕES DAS ATIVIDADES EXPERIMENTAIS INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE QUÍMICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

  • Marcos Vinicios Da Silva Ferreira Unipampa
  • Mara Elisângela Jappe Goi Universidade Federal do Pampa
  • Denise Rosa Medeiros Unipampa

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2021.v12i3.1710

Palavras-chave:

Ensino de Química, Experimentação Investigativa, Educação Básica.

Resumo

Sendo a Química uma Ciência regida por modelos e fenômenos geralmente associados à escala microscópica, sua abordagem de ensino tende a dificultar ou distanciar dos alunos sua correlação com o cotidiano. Nesse sentido, destaca-se a importância da realização de atividades experimentais no Ensino de Química, uma vez que, através desta metodologia, possibilita-se desenvolver condições para que os alunos possam correlacionar os fenômenos químicos aos aspectos teóricos abordados em sala de aula. Na tentativa de atenuar a visão empirista-indutivista associada às atividades experimentais na Educação Básica, de modo a permitir uma participação dos estudantes de forma ativa no processo de construção do conhecimento, a presente pesquisa busca investigar, aprofundar e trabalhar os conhecimentos a respeito da natureza e aplicação das atividades experimentais investigativas, e de que maneira estas atividades podem contribuir e serem abordadas nas aulas de Química, de forma a possibilitar contribuições à Educação Básica. Os resultados indicam que, na visão dos alunos da Educação Básica, as atividades experimentais investigativas tendem a contribuir para a melhoria da aprendizagem dos conceitos e princípios da Química.

Biografia do Autor

Marcos Vinicios Da Silva Ferreira, Unipampa

Graduado no curso Licenciatura em Ciências Exatas: ênfase em Química da Universidade Federal do Pampa campus Caçapava do Sul-RS. Bacharel em Geofísica pela Universidade Federal do Pampa campus Caçapava do Sul-RS.

Mara Elisângela Jappe Goi, Universidade Federal do Pampa

É Professora da Unipampa-Universidade Federal do Pampa-Caçapava do Sul. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS, Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil-ULBRA, licenciada em Química pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul ?Unijuí. Foi professora da Educação Básica durante 20 anos. Atualmente atua na Educação Superior, no curso de Licenciatura em Ciências Exatas, no curso de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências (PPGEC- Mestrado Profissional) com experiência docente e como coordenadora e docente dos estágios supervisionados do curso de Licenciatura em Ciências Exatas da Unipampa. Seus interesses de pesquisa concentram-se na formação de professores, resolução de problemas e processo de ensino de aprendizagem em Ciências da Natureza.

Denise Rosa Medeiros, Unipampa

Denise Rosa Medeiros é professora das escolas Nossa Senhora da Assunção e Nossa Senhora das Graças, Mestra em Ensino de Ciências pela Unipampa, Especialista em Educação com ênfase em Gestão Educacional- UFSM, Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade da Região da Campanha- Urcamp e em Licenciatura em ciências pela Universidade Federal de Santa Maria- UFSM. Integrante dos Projetos de Pesquisa: Atividades Experimentais Investigativas e Resolução de Problemas na Formação Inicial e Continuada de Professores de Ciências da Natureza; Atividade Experimental Problematizada (AEP): estrutura teórico-metodológica como estratégia pedagógica qualificadora ao ensino experimental de ciências, membro do Projeto de Extensão: Resolução de Problemas no Ensino de Ciências-Unipampa. Possui experiência na docência na área de ciências, Biologia, Química e como supervisora do PIBID subprojeto Química- Unipampa, e como preceptora do Projeto Residência Pedagógica (PRP), Unipampa, Campus Caçapava do Sul.

 

Referências

ATKINS, Peter; JONES, Loretta; LAVERMAN, Leroy. Princípios de Química-: Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente. Bookman Editora, 2018.

AZEVEDO, Maria Cristina P. Stella de. In: CARVALHO, Ana Maria Pessoa. Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo, 2004. p. 19-33.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. rev. e ampl. Lisboa: Edições, v. 70, 2011.

BASSOLI, F. Atividades práticas e o ensino-aprendizagem de ciência(s): mitos, tendências e distorções. Ciênc. educ. (Bauru), Bauru , v. 20, n. 3, p. 579-593, 2014.

BORGES, A. T. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. In: Caderno Brasileiro Ensino de Física, v. 19, n.3: p.291-313, dez. 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio) - Parte I: Bases Legais. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL, BASES LEGAIS – Parâmetros Curriculares Nacionais; MÉDIO, Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino. PCN+ para o Ensino de Ciências e Matemática. Brasília: Ministério da Educação, 2002.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. 135 p. ISBN 85-98171-43-3.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília, 2013. 562p.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Ensino Médio. Homologada pela Portaria n° 1.570, publicada no D.O.U. de 21/12/2018, Seção 1, Pág. 146, 2018. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=85121-bncc-ensino-medio&category_slug=abril-2018-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 23 jan. 2019.

CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D.; CARVALHO, A. D.; PRAIA, J. & VILCHES, A. A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CACHAPUZ, A.; PRAIA, J.; JORGE, M.. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência & educação, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004.

CAMPOS, M. C. da C.; NIGRO, R. G.. Didática de ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. FTD, 1999.

CARVALHO, A. M. P. Las practices experimentales en el proceso de enculturación cientifica . In: GATICA, M Q; ADÚRIZ-BRAVO, A (Ed). Ensenar ciencias en el Nuevo milenio: retos e propuestas. Santiago: Universidade católica de Chile, 2006.

FERREIRA, L. S. Produção de leitura na escola: a interpretação do texto literário nas séries iniciais. Ijuí, Rio Grande do Sul,Ed. UNIJUÍ, 2001.

GALIAZZI, M.; GONÇALVES, F. P. A natureza pedagógica da experimentação: uma pesquisa na licenciatura em química. In: Revista Química. Nova, vol. 27, n. 2, p.326-331, 2004.

GIL-PÉREZ, D e VALDÉS-CASTRO, P. La orientación de las prácticas de laboratorio como investigación: un ejemplo ilustrativo. Enseñanza de las Ciencias, v. 14, n. 2, p. 155-163, 1996.

GIORDAN, M. O Papel da Experimentação no Ensino das Ciências. In: Química Nova na Escola, n. 10, p.43-49, 1999.

GONÇALVES, R. P. N. Experimentação no ensino de química na Educação Básica. 2019. 148 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino das Ciências). Universidade Federal do Pampa, 2019.

HODSON, D. Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, v. 12, n. 3, p. 299-313, 1994.

LÜDCKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MALDANER, O. A. A Formação Inicial e Continuada de Professores de Química: Professores/Pesquisadores. Ijuí: Ed: Unijuí, 2000.

OLIVEIRA, J. R. S. Contribuições e abordagens das atividades experimentais no ensino de ciências: reunindo elementos para a prática docente Acta Scientiae v. 12 n.1 p.139-153 jan./jun. 2010.

PACHECO, R. S.; ATAÍDE, A. M. Dificuldades de interpretação de textos na escola - propostas metodológicas para a superação desse problema: trabalhando com fábulas e mitos. IN: Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor pde artigos. Governo do Estado do Paraná, 2013

PORLÁN A. R.; MARTÍN, J.El diario del profesor: Un recurso para la investigación en el aula. 6 ed. Sevilla: Díada, 1998.

SANTOS, W.L.P; SCHNETZLER, R. P. Função Social: O que Significa o Ensino de Química Para Formar Cidadãos? Química Nova na Escola, N. 4, novembro, p.28-34, 1996.

SANTOS, W. L. P. dos; MÓL, G. de S. Química cidadã: volume 1: ensino médio: 1º série. 2ª ed. - São Paulo: Editora AJS, 2013. - (Coleção química cidadã).

SILVA, L. H. de A.; ZANON, L. B. A experimentação no ensino de Ciências. In: SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Piracicaba: CAPES/UNIMEP, 2000. 182 p.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ZOMPERO, A. F.; LABURU, C. E. Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 67-80, 2011. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2017.

Downloads

Publicado

2021-10-05