UM EPISÓDIO DE AULA NA TRILHA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: IDENTIFICANDO PRÁTICAS EPISTÊMICAS E A QUALIDADE ARGUMENTATIVA NA METODOLOGIA JÚRI SIMULADO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2024.v15.2426

Palavras-chave:

Interações discursivas, argumentação, ensino de ciências, conhecimento científico, química

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar e avaliar quais práticas epistêmicas emergem nas interações discursivas e relacionar com o perfil argumentativo em um episódio de aula de uma trilha de ciências da natureza, por meio de falas produzidas por estudantes da 2° série do Ensino Médio. A presente pesquisa se caracteriza com um viés de natureza qualitativa, que ocorre a partir da análise do discurso, as técnicas e instrumentos de constituição dos dados se compôs a partir das falas de alunos e do professor, gravadas, em um episódio na sala de aula.  A técnica de análises de dados foi uma análise de conteúdo das falas, que visam categorizá-las de acordo com o referencial, a fim de investigar a ocorrência de práticas epistêmicas, fizemos uso das ferramentas analíticas propostas por Licona e Kelly (2020) e Mendonça e Vargas (2022) e o perfil argumentativo dos estudantes de Erduran; Simon; Osborne (2004). Nos resultados, verificamos que as práticas epistêmicas que prevalecem são aquelas relacionadas a elaborar uma pergunta, construir argumentos com base nas suas vivências e problematizar. Já em relação à qualidade dos argumentos, verificamos que os estudantes geralmente constroem argumentos em níveis baixo. Concluímos a necessidade em se pensar estratégias e provocar a intencionalidade docente, que ao construí-las levem os estudantes a realizar as mais variadas práticas epistémicas, ao se discutir ciências, assim como aumentar o seu nível argumentativo.

Biografia do Autor

Mayara Taveres de Almeida, Universidade Federal de Sergipe

Licenciada em Ciências Biológicas na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestre pelo programa de pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática, na Universidade Federal de Sergipe. Doutoranda  em Ensino pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino RENOEN na Universidade Federal de Sergipe.  

Edson José Wartha, Universidade Federal de Sergipe

Graduado em Química Licenciatura na Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre pelo programa Interunidades em Ensino de Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Doutor também em Inerunidades Ensino de Ciências. Universidade de São Paulo, USP, Brasil. Atualmente docente no Departamento de Química da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

ARAÚJO, Letícia de Cássia Rodrigues; MENDONÇA, Paula Cristina Cardoso. Relações entre movimentos epistêmicos e práticas epistêmicas na sala de aula de ciências: análise do episódio de uma aula sobre fotossíntese. ACTIO: Docência em Ciências, v. 7, n. 1, p. 1-20, 2022. Disponível em: https://revistas.utfpr.edu.br/actio/article/view/13474. Acesso em: 10 ago. 2022

CLARK, Douglas. B.; SAMPSON, V., WEINBERGER, A., & ERKENS, G. Quadros analíticos para avaliar a argumentação dialógica em ambientes de aprendizagem online. Revisão de Psicologia Educacional, v. 19, p. 343-374, 2007.

DAWSON, V. M.; VENVILLE, G. Teaching strategies for developing students’ argumentation skills about socioscientific issues in high school genetics. Research in Science Education, v. 40, n.2, p. 133-148, 2010.

ERDURAN, Sibel.; SIMON, Shirley.; OSBORNE, Jonathan. TAPping into argumentation: developments in the application of Toulmin’s argument pattern for studying science discourse. Science Education, v. 88, n. 6, p. 915-933, 2004.

GARCIA-MILA, Merce; ANDERSEN, Christopher. Cognitive foundations of learning argumentation. In: Argumentation in science education: Perspectives from classroom-based research. Dordrecht: Springer Netherlands, 2007. p. 29-45.

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, Maria. P.; BROCOS, P. Desafios metodológicos na pesquisa da argumentação em ensino de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. especial, p. 139-159, 2015.

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; ERDURAN, Sibel. Argumentation in science education: an overview. In: ERDURAN, S.; JIMENEZ-ALEIXANDRE, M. P. (Ed.). Argumentation in science education. 1ª. Ed. Dordrecht, The Netherlands: Springer, 2007. p. 3–27.

KELLY, Gregory J. Discourse practices in science learning and teaching. Handbook of research on science education, v. 2, p. 321-336, 2014.

KELLY, Gregory. J. Inquiry, activity and epistemic practice. In R. A. G. DUSCHL, R. E. (Ed.), Teaching Scientific Inquiry: recommendations for research and implementation (pp. 99-117). Rotterdam, The Netherlands: Sense Publishers. 2008.

KELLY, Gregory. J.; LICONA, Peter. Epistemic Practices and Science Education. In M. R. O. MATTHEWS (Ed.), History, Philosophy and Science Teaching. (pp. 139-165). New York, United States of America: Springer. 2018.

KUHN, Diana. Teaching and learning science as an argument. Science Education, v. 94, n. 5, p.810-824, 2010.

KUHN, Diana. The skills of argument. Cambridge, UK: Cambridge University Press. 1991.

LICONA, Peter R.; KELLY, Gregory J. Translinguagem em uma sala de aula de ciências do ensino médio: Construindo argumentos científicos em inglês e espanhol. Estudos Culturais da Educação em Ciências, v. 15, p. 485-510, 2020.

MAGALHÃES JÚNIOR, Carlos Alberto de Oliveira; BATISTA, Michel Corci. Metodologia da Pesquisa em Educação e Ensino de Ciências. Gráfica e Editora Massoni, 1. ed. Maringá, PR, 2021.

MENDONÇA, Paula Cristina Cardoso; VARGAS, Isabela Breder. Práticas epistêmicas e abordagem QSC com o foco no ensino explícito de ética e moral. Investigações em Ensino de Ciências, v. 27, n. 2, p. 294-311, 2022. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2022v27n2p294. Acesso em: 3 dez. 2022.

MOHAN, Ashwin; KELLY, Gregory J. Nature of Science and Nature of Scientists Implications for University Education in the Natural Sciences. Science & Education (2020) 29:1097–1116. https://doi.org/10.1007/s11191-020-00158-y

MORTIMER, Eduardo. F., MASSICAME, T.; TIBERGHIEN, A., BUTY, C. Uma metodologia para caracterizar os gêneros de discurso como tipos de estratégias enunciativas nas aulas de ciências. IN NARDI, R. (org.) A pesquisa em ensino de ciências no Brasil: alguns recortes. São Paulo, Escrituras. 2007, p-53-94.

MOTTA, Ana Elisa Montebelli; MEDEIROS, Michele Dayane Facioli; MOTOKANE, Marcelo Tadeu. Práticas e movimentos epistêmicos na análise dos resultados de uma atividade prática experimental investigativa. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 2, p. 337-359, 2018. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6812486. Acesso em: 11 ago. 2022.

OSBORNE, J.; ERDURAN, S.; SIMON, S.; MONK, M.Enhancing the quality of argumentation in school science. Journal of Research in Science Teaching, v. 41, n. 10, p. 994-1020, 2004.

REX, L. A.; THOMAS, E. E.; ENGEL, S. Applying Toulmin: teaching logical reasoning and argumentative writing. English Journal, v. 99, n. 6, p. 56–62, 2010.

SASSERON, Lúcia Helena. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. especial, p. 49-67, 2015

SASSERON, Lúcia Helena. Práticas constituintes de investigação planejada por estudantes em aula de ciências: análise de uma situação. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 23, 2021.

SILVA, Adjane da Costa Tourinho. Estratégias enunciativas em salas de aula de química: contrastando professores de estilos diferentes. 2008. 477 f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008. Disponível em: https://ri.ufs.br/handle/riufs/684 acesso 03 nov. 2023.

SILVA, Adjane da Costa Tourinho. Interações discursivas e práticas epistêmicas em salas de aula de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. spe, p. 69-96, 2015. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s05

SILVA, Maíra Batistoni e, GEROLIN, Eloísa Cristina TRIVELATO, Sílvia L. Frateschi. A Importância da Autonomia dos Estudantes para a Ocorrência de Práticas Epistêmicas no Ensino por Investigação. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 18(3), 905–933. 2018. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183905

SILVA, Rosianne Pereira; BERTOLDO, Tássia Alexandre Teixeira; WARTHA, Edson José. Padrões discursivos em rodas de conversa como estratégia de ensino. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 17, n. 39, p. 108-128, 2021. http://dx.doi.org/10.18542/amazrecm.v17i39.10693

SIMON, S., ERDURAN, S., & OSBORNE, J. Learning to Teach Argumentation: Research and development in the science classroom. International Journal of Science Education, 28, p. 235-260. 2006.

TOULMIN, Sthepen. Os usos do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

VAN EEMEREN, F. H.; GROOTENDORST, R. A systematic theory of argumentation: the pragmadialectical approach. New York: Cambridge UniversityPress, 2004.

WALTON, Douglas. N. Informal logic: a handbook for critical argumentation. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

Downloads

Publicado

2024-05-12

Como Citar

Almeida, M. T. de, Jesus, D. S. de, & Wartha, E. J. (2024). UM EPISÓDIO DE AULA NA TRILHA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: IDENTIFICANDO PRÁTICAS EPISTÊMICAS E A QUALIDADE ARGUMENTATIVA NA METODOLOGIA JÚRI SIMULADO . Revista Ciências & Ideias ISSN: 2176-1477, 15(1), e24152426. https://doi.org/10.22407/2176-1477/2024.v15.2426

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)