DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO COMPUTACIONAL COM ESTUDANTES AUTISTAS: UMA EXPERIÊNCIA NA PERSPECTIVA DO ENSINO EXPLORATÓRIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2024.v15.2447

Palavras-chave:

Educação Especial, Pensamento Computacional, Ensino de Matemática

Resumo

Os estudantes diagnosticados com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresentam características peculiares relacionadas ao desenvolvimento da comunicação social e comportamento repetitivo com interesses restritos. Há necessidade de uma atenção especial aos processos de ensino e de aprendizagem com esses estudantes, principalmente em relação às aprendizagens essenciais, em acordo com as diretrizes curriculares atuais. Neste sentido, o Pensamento Computacional (PC) é entendido como uma capacidade a ser desenvolvida. Com essa perspectiva, a presente pesquisa buscou responder à questão: quais contribuições de uma abordagem baseada no ensino exploratório para o desenvolvimento do Pensamento Computacional com estudantes com TEA? Assim, considerou-se o desenvolvimento de uma experiência de ensino com dois estudantes com TEA de nível moderado. Admitiu-se uma investigação de natureza qualitativa e interpretativa, em que o levantamento de dados envolveu o registro de áudios, produção escrita e a confecção de um diário de campo. Os dados foram analisados segundo os preceitos da Análise de Conteúdo, e os resultados indicam que as ações dos participantes na tarefa exploratória proposta contribuíram para o desenvolvimento do PC, apresentando correlação especialmente com dois de seus pilares, nomeadamente o Reconhecimento de Padrões e a Abstração.

Biografia do Autor

Joyce Jaquelinne Caetano, Universidade Estadual do Centro-Oeste -UNICENTRO-PR

Graduada em Matemática pela Faculdade Estadual de Filosofia Ciências e Letras de Paranaguá (1993), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1998) e doutorado em Educação (Currículo) pela PUC/SP (2004). Atualmente é professora do Departamento de Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Estadual do Centro-Oeste (PR). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Currículo e Avaliação Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino, avaliação, formação de professores, educação matemática.

Márcio André Martins, Universidade Estadual do Centro-Oeste-UNICENTRO-PR

Possui formação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, Mestrado em Métodos Numéricos e Doutorado em Engenharia pela Universidade Federal do Paraná, e Pós-Doutorado em Educação pela Universidade de Lisboa, PT. É Professor Associado da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO-PR, no Departamento de Matemática (DEMAT) e coordena o Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática (PPGEN) (Mestrado). É revisor da Revista Quadrante (Revista de Investigação em Educação Matemática) (Portugal). Tem experiência em Ensino de Matemática e Matemática Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Raciocínio Matemático, Ensino Exploratório, Tendências Metodológicas em Educação Matemática, e, Análise e Verificação Numérica.

Ana Aparecida de Oliveira Machado Barby, Universidade Estadual do Centro-Oeste -UNICENTRO-PR

possui graduação em História pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (1992), graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (1996) e mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2005). Doutorado em Educação pela UFPR (2013). Atualmente é professora Adjunto A do Departamento de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro-Oeste. Tem experiência e desenvolve pesquisas na área de Educação Especial e Inclusiva, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores na educação especial e inclusiva, adaptação curricular, Comunicação Alternativa e Ampliada, educação especial e inclusiva, redes de apoio, Síndrome de Down.

Referências

ALMEIDA, R. M. F. O papel das tecnologias na aprendizagem da matemática em alunos com Síndrome de Asperger – estudo de caso. 2012. 131 f. Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Lisboa, Portugal, 2012.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais – DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed Editora Ltda, 2014.

ARAUJO, A. C; NETO, F. L., A Nova Classificação Americana Para os Transtornos Mentais – o DSM-5, Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2014

BARON-COHEN, S. Leo Kanner, Hans Asperger, and the discovery of autism. The Lancet, 386(10001), 1329–1330, 2015

BARCELOS, T. et al. Formação online para o desenvolvimento do Pensamento Computacional em professores de Matemática, V Congresso Brasileiro de Informática na Educação, Anais dos Workshops do V Congresso Brasileiro de Informática na Educação, 2016

BELO, P. A. P et al. Reflexos da relação professor-aluno para a aprendizagem no contexto formal de ensino, Rev. Pemo, Fortaleza, v. 3, n. 2, e323880, 2021

BBC LEARNING, B. What is computational thinking?, 2021. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2021.

BOETTGER, A. R. S; LOURENÇO, A. C.; CAPELLINI, Vera Lucia Messias Fialho. O professor da Educação Especial e o processo de ensino-aprendizagem de alunos com autismo. Revista Educação Especial. v. 26. n. 46. p. 385-400. maio/ago. Santa Maria. 2013

BRACKMANN, C. P. Desenvolvimento do pensamento computacional através de atividades desplugadas na educação básica. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, Centro de Estudos Interdisciplinares em Novas Tecnologias na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017

BRACKMANN, C. P., BOUCINHA, R. M., ROMÁN-GONZÁLEZ, M., BARONE, D. & CASALI, A. Pensamento Computacional Desplugado: Ensino e Avaliação na Educação Primária da Espanha. In: Anais dos Workshops do VI Congresso Brasileiro de Informática na Educação, Recife, 2017.

BRASIL, LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. – 2. ed. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2018

BRASIL, Ministério da Educação. Decreto nº 6.571 de 17 de setembro de 2008, Diretrizes Operacionais para o atendimento educacional especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial, Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. Acesso em: 12 de maio de 2020.

BUNDY, A. Computational Thinking is Pervasive. Journal of Scientific and Practical Computing, v. 1, p. 67–69, 2007

CARVALHO, M. P.; SOUZA, L. S.; CARVALHO, J. A. Síndrome de Asperger: considerações sobre espectro do autismo. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.7, n.2, Pub.5, Abril 2014

CIEB, Centro de Inovação para a Educação Brasileira. Currículo de Referência em Tecnologia e Educação. Disponível em: <http://curriculo.cieb.net.br/>. Acesso em: 22 de fev 2020.

CSTA/ISTEA. Computational Thinking: leadership toolkit., 2011. Disponível em: acesso em: 09/10/2021

CUNHA, Eugênio. Psicopedagogia e Práticas Educativas na Família e na Escola, WAK editora, 7ª edição – Rio de Janeiro, 2017

DELABONA, S. C. A mediação do professor e a aprendizagem de geometria plana por aluno com transtorno do espectro autista (síndrome de Asperger) em um laboratório de matemática escolar. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Goiás - Programa de Pós-Graduação em Ensino na Educação Básica do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação, 2016.

GENÚ, Marta Soares. A abordagem da ação crítica e a epistemologia da práxis pedagógica, Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 9, p. 55-70, set./dez. 2018.

KLIN, A. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 28, n. 1, p. 3-11, 2006.

KURSHAN, B. Thawing from a Long Winter in Computer Science Education. Forbes, p. 2, fev. 2016.

MARTINS, M.; PEREIRA, J. M.; PONTE, J. P. Os Desafios da Abordagem Exploratória no Ensino da Matemática: aprendizagens de duas futuras professoras através do estudo de aula. Bolema, Rio Claro (SP), v. 35, n. 69, p. 343-364, abr. 2021

MCMASTER, K.; RAGUE, B.; ANDERSON, N. Integrating Mathematical Thinking, Abstract Thinking, and Computational Thinking. 40th ASEE/IEEE Frontiers in Education Conference, out. 2010. Acesso em: 09/10/2021

NUNES, D. J. Ciência da Computação na Educação Básica. ADUFRGS - Sindical, 6. jun. 2011 disponível em: 09/10/2021

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Marco de Ação de Dakar. Paris, 2000b.

PEREIRA, Gláucia Tomaz Marques. Inclusão escolar e formação integral da pessoa com o transtorno do espectro autista: caminhos possíveis. Dissertação (mestrado). Anápolis: IFG, 2019.

PRONCE, J. O. & ABRÃO, J. L. F. Autismo e inclusão no ensino regular: o olhar dos professores sobre esse processo. Estilos da Clínica, V. 24, nº 2, p. 342-357, 2019.

RAMOS, J. L.; ESPADEIRO, R. G. Os Futuros Professores e os professores do futuro. Os desafios da introdução ao Pensamento Computacional na escola, no currículo e na aprendizagem. Revista Educação, Formação & Tecnologias, v. 7, p. 4–25, 2014

SILVA, A. S. & SANTOS, G. O. As Perspectivas de Aplicação de Atividades Matemáticas para Alunos Autistas: Habilidades na aprendizagem matemática, Revista Interseção, Palmeira dos Índios/AL,v. 2., n. 1,jul.2021, p. 9-20

SILVA, M. E. C., O ensino da matemática frente ao Transtorno do Espectro Autista, Revista Tuiuti: Ciência e Cultura, v.6 n.60, p. 4-25, Curitiba, 2020

SOUZA, A. C. O uso de tecnologias digitais educacionais para o favorecimento da aprendizagem matemática e inclusão de estudantes com transtorno do espectro autista em anos iniciais de escolarização. Dissertação (mestrado) - Alfenas / MG, 2019.

SOUZA, C. A. & SILVA, G. H. G., Incluir não é Apenas Socializar: as Contribuições das Tecnologias Digitais Educacionais para a Aprendizagem Matemática de Estudantes com Transtorno do Espectro Autista, Bolema, Rio Claro (SP), v. 33, n. 65, p. 1305-1330, dez. 2019

TAKINAGA, S. S. et al., Autismo: um estudo sobre estratégias de ensino para aulas de matemática inclusivas na educação básica. Anais do Encontro de Produção Discente PUCSP/Cruzeiro do Sul. São Paulo. p. 1-6. 2014

TAMANAHA, A. C. et al., Uma breve revisão histórica sobre a construção dos conceitos do Autismo Infantil e da síndrome de Asperger Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2008

TUCHMAN, R. & RAPIN, I. Autismo: Abordagem Neurobiológica, Editora Artmed, 1ª ed., 2009

WING, J. M. Computational Thinking. Communications of the ACM. March, Vol. 49, No. 13, 2006.

WING, J. M. Computational thinking and thinking about computing. Philosophical Transactions of the Royal Society A: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, v. 366, n. 1881, p. 3717–3725, 2008.

Downloads

Publicado

2024-01-31

Edição

Seção

Artigos Científicos