EXPLORANDO A QUÍMICA COM JOGOS DIDÁTICOS NO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PARA O ENSINO DE FUNÇÕES ORGÂNICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2024.v15.2391

Palavras-chave:

química orgânica, Jogos didáticos, Ensino interativo, Aprendizagem colaborativa

Resumo

A Química é vista como desafiadora devido ser uma disciplina abstrata, e o uso de jogos é sugerido como estratégia envolvente para superar essa dificuldade. Os jogos não apenas estimulam a aprendizagem, mas também promovem interação, motivação e criatividade, tornando o ensino mais dinâmico. Nesse contexto, o estudo teve como objetivo criar e aplicar jogos didáticos para o ensino de Química Orgânica, buscando complementar a atuação do professor em sala de aula, oferecendo suporte na abordagem dos conteúdos e proporcionando aos alunos uma experiência lúdica e coletiva para a compreensão desses temas. Para a concepção deste estudo, inicialmente, realizaram-se observações nas aulas de Química em quatro turmas ao longo de um período de quatro meses. O propósito era identificar as áreas em que os alunos apresentavam maiores dificuldades. A partir dessas observações, foram desenvolvidos dois jogos didáticos, "Sorte Orgânica" e "Bingo Orgânico", com o intuito de abordar e superar as dificuldades identificadas. A análise dos dados foi conduzida mediante uma abordagem qualitativa, embasada na descrição, observação e interpretação do fenômeno em estudo, contribuindo para a compreensão e aprimoramento da aprendizagem dos alunos. Os jogos proporcionaram uma abordagem envolvente, estimulando a participação ativa e a revisão de conteúdo. Modificou a dinâmica da sala de aula, permitindo uma aprendizagem interativa e participativa. A aplicação dos jogos destacou a necessidade de estratégias diversificadas no processo de ensino, encorajando alunos e professores a buscarem métodos mais envolventes. Apesar dos desafios iniciais, os jogos resultaram em uma experiência educacional positiva, ressaltando a importância de abordagens diversificadas no ensino. Este estudo reforça a ideia de que a aprendizagem é um processo colaborativo e construtivo, no qual tanto os professores quanto os alunos desempenham um papel ativo na construção do conhecimento.

Referências

ADAMS, F. W. A desvalorização e desprofissionalização docente: o olhar de coordenadores de cursos de licenciatura em Ciências da Natureza. Revista Cocar, [S. l.], v. 16, n. 34, 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Brasília: MEC, 1999.

CLEOPHAS, M. G.; CAVALCANTI, E. L. D.; SOARES, M. H. F, B. Afinal de contas, é jogo educativo, didático ou pedagógico no ensino de química/ciências? Colocando os pingos nos “is”. In: CLEOPHAS, M. G.; SOARES, M. H. F. B. (org.). Didatização lúdica no ensino de química/ciências. São Paulo: Livraria da Física, 2018. p. 33-43.

COSTA, M. J. M.; BENTES, V. L. I.; YAMAGUCHI, K. K. L. Desafios e perspectivas do ensino remoto em química no interior do amazonas: estudo de caso no município de Coari-AM. In: XXXI congresso de iniciação científica da UFAM - CONIC, 2022, Manaus-AM. Anais, 2022.

CUNHA, M, B. Jogos no ensino de química: considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Química Nova na Escola, São Paulo s. L., v. 34, n. 2, p. 92-98, 2012.

CUNHA, N. H. S. Brinquedo, desafio e descoberta. Rio de Janeiro: FAE. 2012.

FAUSTINO, V. L.; SANTOS, G. B.; AGUIAR, P. M. É brincando que se aprende! Uso de jogos educativos como estratégia na construção do conhecimento em Assistência Farmacêutica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 26, p. e210312, 2022.

FERREIRA, V. O.; BÓ, A. D.; ROSA, M. P. A.; LIMA. V. M. R.; RAMOS, M. G. A desvalorização do professor: percepções de professores participantes de um programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática. Revista Thema, v. 17, n. 1, p. 243- 255, 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1987.

HARRES, J. B. S.; LIMA, V. M. DO R.; DELORD, G. C. C.; SUSA, C. I. C.; MARTINEZ, R. I. P. Constituição e prática de professores inovadores: um estudo de caso. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 20, p. e2679, 2018.

JOHNSON, S. O poder inovador da diversão: Como o prazer e o entretenimento mudaram o mundo. Zahar, Rio de Janeiro, 2017.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Cengage Learning, 2021.

LAPA, W. P. F. M.; SILVA, J. C. S. da. Revisando as Funções Orgânicas Oxigenadas com um Jogo Didático. Revista Debates em Ensino de Química, v. 2, n. 2, p. 104–111, 2017.

LIMA, M. B. R. M.; GUERREIRO, E. M. B. R. Perfil do professor mediador: proposta de identificação. Educação, v. 44, p. 22-27, 2019.

MENEZES, L. C. Projeto pedagógico: mudar o quê, mudar por quê? Revista de Educação e Informática, n. 14, p. 29-34, 2000.

MIRANDA, S. de. No fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência hoje. v.28, n. 168. Jan/fev. 2001, p.64-66.

OLIVEIRA, D. T.; OLIVEIRA, F. V.; CANDITO, V. Aprendizagem Baseada em Problemas, Aliada à Temática "Chás", no Ensino de Funções Orgânicas: Uma Intervenção do PIBID na Escola. Experiências em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 585-595, 2021.

OLIVEIRA, J. M. M.; NÓBREGA-THERRIEN, S. M.; DA SILVA BARBOSA, E. A história da formação e do desenvolvimento profissional docente no Brasil: rupturas e continuidades. Revista Cocar, [S. l.], v. 18, n. 36, 2023.

OLIVEIRA, R. E. G.; VIEIRA, T. B. S.; SOUSA, R. B.; CARVALHO, R. B. F. Jogos didáticos no ensino de Química: Desenvolvimento e aplicação em turmas da 1ª série do ensino médio em Cocal, Piauí. Revista Ciências & Idéias, v. 12, p. 79-90, 2021.

PORLÁN, R.; DEL POZO, R.; RIVERO, A.; HARRES, J. B. S.; AZCÁRATE, P.; PIZZATO, M. El cambio del profesorado de ciencias I: marco teórico e formativo. Enseñanza de las Ciencias, v. 28, n. 01, p. 13-46, 2010.

RANGEL, M. E.; RANGEL, M. A. O lúdico no ensino de Matemática: uma revisão sobre o uso de jogos didáticos no processo de ensino-aprendizagem. Journal of Education Science and Health, v. 3, n. 1, p. 01–09, 2023.

SILVA, C. S.; SOARES, M. H. F. B. Estudo bibliográfico sobre conceito de jogo, cultura lúdica e abordagem de pesquisa em um periódico científico de Ensino de Química. Ciência & Educação, v. 29, p. e23003, 2023.

SILVA, F. V. C.; SANTOS, L. G. T.; SANTOS, A. L. C.; FEITOSA, A. A. F. M. A. Dificuldades apontadas por professores do programa de mestrado profissional em ensino de biologia para o uso de metodologias ativas em escolas de rede pública na paraíba. Brazilian Journal of Development, v. 6, p. 21959-21973, 2020.

SILVA, M. A. Capa, Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente. Rev. Quim. Ind, v. 711, n. 7, 2011.

VIEIRA, T. B. S.; OLIVEIRA, R. E. G.; RODRIGUES, M. G.; SOUSA, P. S. A.; CARVALHO, T. A.; CARVALHO, R. B. F.; ALVES, A. L. Química ambiental em postos de combustíveis e oficinas mecânicas: uma abordagem educacional. Revista Ciências & Ideias, v. 11, p. 106, 2020.

VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. A formação social da mente, v. 4, p. 105-118, 1989.

Downloads

Publicado

2024-02-05

Edição

Seção

Artigos Científicos