AUTONOMIA DOCENTE, PLATAFORMAS DIGITAIS E AS BIOCIÊNCIAS: UM ESTUDO AUTOBIOGRÁFICO NA EDUCAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

Autores

  • Cristianni Antunes Leal Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2022.v13i3.2179

Palavras-chave:

Autobiografia 1, Autonomia docente 2, Biociências 3, Ensino remoto emergencial 4, Esvaziamento curricular 5.

Resumo

RESUMO

Na pesquisa autobiográfica há uma amálgama entre autor e fatos particulares das várias fases da vida de uma pessoa. Aqui a fase é: a educação básica pública do Rio de Janeiro com o ensino remoto emergencial e aplicativos com currículos prescritivos pela ótica docente ocorrido em 2021. O estudo objetiva apresentar os conteúdos de Biociências de um aplicativo, e, problematiza como reassumir a autonomia docente retirada por meio de aplicativo com os conteúdos curriculares das disciplinas. Para isso, uma pesquisa autobiográfica foi realizada, bem como uma descritiva no currículo das Biociências presentes no aplicativo. Para averiguar os dados foi usada a análise de conteúdo com as três categorias já pontuadas na Base Nacional Comum Curricular. Os resultados apontam que há controle e esvaziamento curricular em Biociências e para que reassumam a docência e acabem com a tutoria, os docentes precisam se movimentar, como: formação continuada, sindicalizar-se e ocupar espaços nas esferas de debates.

Biografia do Autor

Cristianni Antunes Leal, Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora da educação básica na Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC-RJ), atuando como professora de Ciências e Biologia. Mestre em Ensino de Ciências (CAPES 5,0) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Doutora em Ensino em Biociências e Saúde (CAPES 6,0). Área: Ensino de Ciências e Matemática; área de avaliação: Ensino. No Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, RJ.


Dificuldade em inserir o ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6178-0221

Referências

ARRUDA, Robson L. Prefiro a escola: percepções de alunos e familiares sobre o ensino remoto. Revista de Educação a Distância. v. 08, nº 01. 2021. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/737/643 . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução: L. A. Reto, A. Pinheiro, 1ª ed. São Paulo: Edições 70; 279p. 2011.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Novo Ensino Médio. 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. MEC: Brasília, 2018. 600p. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

CÁSSIO, Fernando; CATELLI Jr. Roberto (Orgs.). Educação é a base? 23 educadores discutem a BNCC. 1ª ed. São Paulo: Ação Educativa, 2019, 318p.

COMPIANI, Maurício. Comparações entre a BNCC atual e a versão da consulta ampla, item ciências da natureza. Ciências em Foco. v.11, n. 01, p.91-106, 2018. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cef/article/view/15027 . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José, A.; PERNAMBUCO, Marta, M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3ª ed. – São Paulo: Cortez, 2009, 366p.

DIAS, Edmundo Fernandes; SECCO, Lincon; COGGIOLA, Oswaldo; MASSARI, Roberto; BRAGA, Ruy. O Outro Gramsci. 2ª ed. - São Paulo: Xamã, 1996, 219p.

DOURADO, Luiz F.; SIQUEIRA, Romilson M. A arte do disfarce: BNCC como gestão e regulação do currículo. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação Periódico científico editado pela Anpae. v. 35, nº 02, p. 291-306, 2019. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/vol35n22019.95407/53884 . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

FERREIRA, Marcia, S. Currículo e cultura: diálogos com as disciplinas escolares Ciências e Biologia, 185-213p. In. MOREIRA, Antonio F.; CANDAU, Vera L. (Orgs.). Currículos, disciplinas escolares e culturas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, 360p.

FRANCO, Luiz Gustavo; MUNFORD, Danusa. Reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular: Um olhar da área de Ciências da Natureza. Revista Horizontes. v. 36, n. 01, p.158-171, 2018. Disponível em: https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/582/267 . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

FREITAS, Ana, C.S.; ALMEIDA, Nadja, R.O. FONTENELE, Inambê, S. Fazer docente em tempo de ensino remoto. Ensino em Perspectivas. v. 02, n. 03, p. 01-11, 2021. Disponível em: https://www.revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/6068/5697 . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

GOODSON, Ivor F. Currículo, narrativa e o futuro social. Tradução: Eurize Caldas Pessanha e Marta Banducci Rahe. Revista Brasileira de Educação. v. 12, nº 35, p. 241-252, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/FgNMHdw8NpyrqLPpD4Sjmkq/?lang=pt&format=pdf . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

______. Currículo: teoria e história. Tradução: Attílio Brunnetta. 15ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018, 161p.

GRAMSCI, Antonio. Concepção Dialética da História. 3ª.ed. – Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1978

KRASILCHIK, Myriam. Prática de ensino de Biologia. 4ª ed. São Paulo, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011, 200p.

LEAL, Cristianni A. Applique-se: problematização e questionamentos à docência e ao ensino de biociências. Revista Ciclo Revista: experiências em formação no IF Goiano. Goiânia. v. 5, n. 01, p. 57-66, 2022. Disponível em: https://periodicos.ifgoiano.edu.br/index.php/ciclo/issue/view/80 . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

LIMA, Ana, L.G.; GIL, Natália L. Sistemas de pensamento na educação e políticas de inclusão (e exclusão) escolar: entrevista com Thomas S. Popkewitz. Revista Educação e Pesquisa. São Paulo. v. 12, nº 04, p. 1125-1251, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/KL8cBfPKQCQ5bVbxDFdTpKj/?format=pdf&lang=pt . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

LOPES, Alice C.; MACEDO, Elisabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011, 279p.

MARANDINO, Martha; SELLES, Sandra E.; FERREIRA, Marcia S. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009, 215p.

MATURANA, Humberto, R.; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Tradução: Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena, 2001, 286p.

MAYR, Ernst. O desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Tradução: Ivo Martinazzo. Brasília, Distrito Federal: Universidade de Brasília, 1998, 1107p.

______. Biologia, ciência única: reflexões sobre a autonomia de uma disciplina científica. Tradução: Marcelo Leite. São Paulo: Companhia das Letras, 2005, 266p.

SANTOS, Jociane M.O.S.; ESTEVAM, Rebeca A.; MARTINS, Thiago M. Pesquisa (auto)biográfica. Revista Ensaios Pedagógico. v. 02, nº 01, p. 45-53, 2018. Disponível em: http://www.ensaiospedagogicos.ufscar.br/index.php/ENP/article/view/64/102. Acesso em: 01 de jul. de 2022.

SÜSSEKIND, Maria. A BNCC e o “novo” Ensino médio: reformas arrogantes, indolentes e malévolas. Revista Retratos da Escola. Brasília. v. 13, n. 25, p.91-107, 2019. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/980 . Acesso em: 01 de jul. de 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-26