SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ENSINO DE QUÍMICA: POSSIBILIDADES PARA A EXPERIMENTAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2021.v12i3.1561

Palavras-chave:

Sequências de ensino, Química, Ensino investigativo, Problematização, Pesquisa bibliográfica.

Resumo

Esta pesquisa apresenta um estudo bibliográfico com o intuito de investigar como as Sequências Didáticas (SDs) têm sido elaboradas, aplicadas e validadas, envolvendo o Ensino de Química no nível médio e buscar entender como as mesmas abordam a experimentação química e colaboram para unir a teoria à prática. A metodologia seguiu todas as etapas de uma pesquisa bibliográfica sugeridas por Gil (2002). O tema foi escolhido e realizado o estudo bibliográfico preliminar, através do portal de periódicos CAPES/MEC, pela ferramenta de busca do portal Google Scholar. As palavras utilizadas na primeira busca foram: Sequência Didática; Química e na segunda busca: Sequência Didática; Soluções, observando somente o título. Na triagem foi observado se o trabalho se encontra na língua portuguesa, disponível eletronicamente, completo, gratuito e contém contribuições relacionadas à temática: “Sequência Didática no ensino de Química”. A busca preliminar obteve 32 trabalhos. Levantou-se o problema em torno da temática. Em seguida foi traçado o plano de trabalho e buscou-se outras fontes bibliográficas. Finalmente, após a leitura interpretativa de todo o material bibliográfico, fez-se o fichamento e a organização lógica final. Evidenciou-se que as SDs estão sendo desenvolvidas buscando aplicar o Ensino Investigativo, utilizando temas geradores, levantando problemáticas relacionadas ao tema, utilizando abordagem contextualizada, fazendo uso da Experimentação Química investigativa e atentas aos conhecimentos prévios dos estudantes.

Biografia do Autor

Ângelo Gomes de Melo, Instituto Federal do Triângulo Mineiro - IFTM - Campus Paracatu-MG, Professor EBTT.

Mestre em Ensino de Ciências pelo Programa de Pós-Graduação Strito Sensu – Mestrado Profissional em Ensino de Ciências (PPEC), da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PrP) da Universidade Estadual de Goiás – Campus Central - Sede: Anápolis; Especialista em: "Docência do Ensino Superior: a universidade no contexto atual"(2014), "Gestão e Planejamento Educacional: ênfase em empreendedorismo, tecnologia e educação a distância"(2014), "Educação Matemática: um enfoque multidisciplinar"(2014); todas promovidas pelo Instituto Superior de Educação Ibituruna - ISEIB, sendo graduado em Química pelo Centro Universitário de Patos de Minas (2000), graduado em Matemática pela Fundação Comunitária Educacional e Cultural Patrocinio (1999) e graduado em Ciências (primeiro grau) pela Fundação Comunitária Educacional e Cultural Patrocinio (1998). Atualmente, professor EBTT do Instituto Federal do Triângulo Mineiro-IFTM, Campus Paracatu-MG.

Mirley Luciene dos Santos, Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Central - Sede: Anápolis – CET, Professora titular da Universidade Estadual de Goiás.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Uberlândia (1994), mestrado em Botânica pela Universidade de Brasília (1997), doutorado em Ecologia pela Universidade de Brasília (2003) e pós-doutorado em Ecologia e Evolução pela Universidade Federal de Goiás (2012). Professora titular da Universidade Estadual de Goiás, atua em atividades de ensino para a graduação no Curso de Ciências Biológicas, e na pesquisa. Integra o corpo docente do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências (PPEC/UEG). É curadora da coleção de Fanerógamas do Herbário da Universidade Estadual de Goiás, membro do Grupo Gestor da Reserva Ecológica da UEG - Câmpus Anápolis de Ciências Exatas e Tecnológicas e membro do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da UEG. Atualmente é Bolsista do Programa de Bolsas de Incentivo ao Pesquisador BIP/UEG. É membro da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio) e da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC).

Cleide Sandra Tavares Araújo, Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Central - Sede: Anápolis – CET, Professora efetiva em Regime de Tempo Integral.

Graduação em Química pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU (1988), Mestrado (2002) e Doutorado (2009) em Química Analítica pela mesma Instituição, Pós-Doutorado no Laboratório de Epectroscopia Aplicada - LEA/UFU, (2013). Atualmente é docente efetivo em Regime de Tempo Integral e Dedicação à Pesquisa (RTIDP) na Universidade Estadual de Goiás - UEG, no Câmpus Central - Sede: Anápolis – CET. Tem experiência na área de Ensino, com ênfase na Formação de Professores,
Administração Pública e Química Analítica, atuando principalmente nos seguintes temas: FAAS, águas, íons metálicos, adsorção e adsorventes naturais (lignocelulósicos) Ensino de Ciências. Atua na Graduação (Química - Modalidade Licenciatura e Química Industrial) e Pós-Graduação - Mestrado Profissional em Ensino de Ciências - PPEC/Conceito 3 - Capes. Desenvolve projetos, na área de formação de professores/Ensino de Ciências e remediação química de sistemas aquosos contaminados com íons metálicos utilizando materiais naturais alternativos do bioma do cerrado: Jatobá-do-cerrado ((Hymenaea Stigonocarpa)), Pequi (Caryocar brasiliense), Baru (Dipteryx alata) e Lobeira-do-cerrado (Solanum Lycocarpum).

Referências

ALMEIDA, R. V. de. Análise de uma Sequência Didática auxiliada pelo uso das Tecnologias da Informação e Comunicação para o Ensino de Cinética Química numa perspectiva Ausebiliana. In: Congresso Nacional de Educação, 2.; 2015, Campina Grande. Anais […]. Campina Grande, Centro Multidisciplinar de Estudos e Pesquisas (CEMEP), 2015.

ALVES, H. S. Elaboração, desenvolvimento e avaliação de uma sequência didática sobre armas químicas para o ensino de química orgânica na educação básica. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação de Licenciatura em Química) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão, 2016.

ANDRADE, M. S. F. Educação de Jovens e Adultos: proposta de sequência didática com caráter investigativo no Ensino de Química. 2017. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica) - Universidade Federal do Espírito Santo, São Mateus, 2017.

AUSEBEL, D. P.; NOVAK, J.; HANESIAN, H. Educational Psychology: A Cognitive View (2ª Ed.). New York: Holt, Rinehart & Winston, 1978.

AUSEBEL, D. P.; NOVAK, J.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BEDIN, E. Filme, Experiência e Tecnologia no Ensino de Ciências Química: uma sequência didática. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 9, n. 1, 2019.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 13.415/2017, de 16 de fevereiro de 2017. Diário Oficial da União, seção 1, p. 1, 17 de fevereiro de 2017a. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl.html. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio. Brasília, DF, 2017b. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n.9394, de 20 de dezembro de 1996 – Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, Distrito Federal, 1996.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativa. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. p. 1-20.

CARVALHO, A. M. P. Ensino e aprendizagem de ciências: referenciais teóricos e dados empíricos das sequências de ensino investigativo (SEI). In: LONGHINI, M. D. (Org). O uno e o diverso na educação. Uberlândia: EDUFU, 2011. p. 253-266.

CAVALCANTE, K. L.; ASSAI, N. D. de S.; DELAMUTA, B. H. Uma proposta de Sequência Didática utilizando a abordagem dos três Momentos Pedagógicos para o Ensino de Cinética Química. Revista Diálogo e Interação, v. 12, n. 1, p. 173-190, 2018.

CHAVES, M. A. L. Aprendizagem de química no Ensino na Educação Básica: Uma sequência didática utilizando Textos de Divulgação Científica. Dissertação (Mestrado na Educação Básica) - Universidade Federal do Espírito Santo, São Mateus, 2018.

COSTA, E. de O.; SANTOS, J. C. O. Uma Proposta para o Ensino de Química Através da Abordagem CTSA: Uma Sequência Didática para a Temática Água. Encontro Regional de Química e Encontro Nacional de Química, 5. e 4.; 2015, Mossoró. Proceedings […]. São Paulo: Blucher, 2015.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências fundamentos e métodos. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2018. 285 p.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências fundamentos e métodos. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

DELLA VOLPE, A. L.; MARQUES, R. N. A Química e a Arte das Pinturas Rupestres: uma Sequência Didática para o Ensino de Óxidos. 2018. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Andre_Della_Volpe/publication/326156906_A_Quimica_e_a_Arte_das_Pinturas_Rupestres_uma_Sequencia_Didatica_para_o_Ensino_de_Oxidos/links/5b3b97aeaca27207850a496e/A-Quimica-e-a-Arte-das-Pinturas-Rupestres-uma-Sequencia-Didatica-para-o-Ensino-de-Oxidos.pdf. Acesso em: 15 de nov. 2019.

ESTEVES, K. G. C. Uma proposta de sequência didática para contextualizar o ensino de química com o tema alimentos, 2017.Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação de Licenciatura em Química) - Universidade Federal do Pampa, Bagé, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

GALIAZZI, M. C.; GONÇAVES, F. P. A natureza pedagógica da experimentação: Uma pesquisa na Licenciatura em Química. Química Nova, v. 27, n. 2, p. 326-331, 2004.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GUIMARÃES, A. C. Sequência didática sobre soluções para EJA: condições de produção e uso em sala de aula, 2017. Dissertação (Mestrado Profissional de Educação e Docência) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

LIMA, L. M. D. N. Atividades investigativas arrimadas a aprendizagem cooperativa na aplicação do conhecimento relativo à eletroquímica. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

LOPES, J. M. D. S. Vivenciando experiências no ensino médio utilizando eletroquímica como tema motivador. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação de Licenciatura em Química) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

MACEDO, N. D. de. Iniciação à pesquisa bibliográfica: guia do estudante para a fundamentação do trabalho de pesquisa. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

MOURA, L. S. de. O uso de uma sequência didática para trabalhar a automedicação e a química orgânica no ensino de química. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação de Licenciatura em Química) - Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

NASCIMENTO, M. M. A. do. Sequência didática no ensino de química: contextualizando a temática pilhas para turmas do ensino médio regular. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação de Licenciatura em Química) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, João Pessoa, 2019.

NETO, A. F.; SILVA, C. C. da. Contribuição de uma Sequência Didática para o estudo de soluções no Ensino Médio numa abordagem CTS. In: Semana de Licenciatura, 16., Jataí. Anais […]. Jataí, Instituto Federal de Goiás, 2019.

NETO, G. S.; ALVES, A. A.; BARCELOS, A. S.; CRUZ, P. B. G.; GONÇALVES, A. C. S.; MATTOS, C. G. V. de; PIUZANA, T. de M.; SILVA, N. S. da; SILVA, T. M. As redes sociais como ferramenta na aplicação de uma sequência didática problematizadora: impacto nas aulas de Química e desempenho dos estudantes. XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (XVIII ENEQ), Florianópolis, SC, 2016. Disponível em: http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R1362-1.pdf. Acesso em: 15 de nov. 2019.

NUNES, P. P. Contextualização e abordagem de conceitos químicos por meio da química forense: uma sequência didática para o Ensino Médio no Ensino da Química. Dissertação. Universidade Federal do Amazonas, 2017. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br/bitstream/tede/6388/5/Disserta%c3%a7%c3%a3o_Pamela%20P.%20Nunes.pdf. Acesso em: 18 de nov. 2019.

RESENDE, S. G. dos S.; NEVES, M. L. R. da C.; TAVARES, M. de L. A produção de vídeos pelos alunos: uma proposta de sequência didática para o Ensino de Química em uma abordagem CTS. ANAIS DO I ENCONTRO DOS MESTRADOS PROFISSIONAIS, p. 136-143, 2016. Disponível em: http://www.fompe.caedufjf.net/wp-content/uploads/2015/04/1o-EMPEE-2016-BOOK-final-1.pdf#page=136. Acesso em 14 de nov. 2019.

ROCHA, Q. G. de S. da; CASTRO, F. P. de; DELLA VOLPE, A. L.; MARQUES, R. N; MIRANDA, M. C. R. de. Educação ambiental nas aulas de química: a experiência de uma sequência didática sobre química verde. Enseñanza de lasciencias, n. Extra, p. 3461-3466, 2017.

RODRIGUES, J. B. S.; SALDANHA, T. C. B.; SANTOS, P. M. M.; LIMA, R. S.; WEBER, K. C. O milho das comidas típicas juninas: uma sequência didática para a contextualização sociocultural no ensino de Química. Revista Química Nova na Escola, v. 39, n. 2, p. 179-185, 2017.

RODRIGUES, J. C.; FREITAS-FILHO, J. R. de; FREITAS, L. P. da S. R. de; FREITAS, Q. P. da S. B. de. Elaboração e aplicação de uma sequência didática sobre a química dos cosméticos. Experiências em Ensino de Ciências, v. 13, n. 1, 2018.

ROSSIERI, R. A. Estudo acerca da motivação e aprendizagem a partir de uma implementação de uma sequência didática de química orgânica. 2017. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, 2017.

SANTOS, M. J. dos; ABRANTES, A. P.; BASÍLIO, E. de F; FARIA, M. T. de; SILVA, J. G. da; CATÃO, V. Produção de uma Sequência Didática interdisciplinar com o foco na Química dos Cremes Dentais: possibilidades para a contextualização. Revista Ciências & Ideias, v. 7, n. 3, p. 31-45, 2017.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. spe, p. 49-67, 2015.

SNYDERS, G. Satisfação de compreender, continuidade e ruptura em ciências. In: SNYDERS, G. Alegria na escola. São Paulo: Manole, 1988.

VIEIRA, F. A. C. Ensino por Investigação e Aprendizagem Significativa Crítica: análise fenomenológica do potencial de uma proposta de ensino. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru, 2012.

YONEDA, J. D.; HUGUENIN, J. A. O. Proposta de Sequência Didática para disciplina de Química Geral explorando o uso de tecnologias digitais. Docência do Ensino Superior, v. 8, n. 2, p. 60-77, 2018.

ZABALA, A. A Prática Educativa. Como ensinar. Porto Alegre: Artmed. 1998.

Downloads

Publicado

2021-10-05

Como Citar

Melo, Ângelo G. de, Santos, M. L. dos, & Araújo, C. S. T. (2021). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ENSINO DE QUÍMICA: POSSIBILIDADES PARA A EXPERIMENTAÇÃO. Revista Ciências & Ideias ISSN: 2176-1477, 12(3), 173–193. https://doi.org/10.22407/2176-1477/2021.v12i3.1561