POSTAGENS EDUCATIVAS EM REDES SOCIAIS SOBRE DIVERSIDADE DE GÊNERO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2021.v12i4.1918

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo descrever a criação de postagens educativas em redes sociais (@Instagram e Facebook) sobre a diversidade de gênero oriunda de dados coletados pelo NUGED (Núcleo de Gênero e diversidade sexual) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro – Campus Realengo, aqui denominado IFCReal. O campus em questão possui apenas cursos de formação de profissionais da área da saúde. A coleta de dados consistiu na aplicação e análise de questionários semiabertos disponibilizados pela plataforma Google Forms e serviu como um mapeamento das percepções sobre vulnerabilidade de gênero desta comunidade acadêmica. O mapeamento teve o intuito de balizar a implantação de estratégias de acolhimento da população em vulnerabilidade de gênero (mulheres e LGBTQIA[1]+) neste local. No caso específico desse texto, será exposto o percurso do desenvolvimento de postagens educativas que tratam sobre definições e direitos da população em questão para conscientizar a comunidade local e também para quem acessa a rede para entender e acolher esses indivíduos. Os dados obtidos possibilitaram interpretar que a maioria dos respondentes tem dificuldade em dialogar com temática gênero e não sabem reconhecer as vulnerabilidades da população LGBTQIA+. A partir da análise dos resultados o NUGED iniciou a elaboração e publicação de postagens em redes sociais seguindo os seguintes eixos temáticos: 1) transparência; 2) termos e definições LGBTQIA+; 3) Direitos das alunas mães e grávidas; 4) Apoio para vítimas de violência de gênero. O que se pretendeu com as postagens foi fortalecer a discussão sobre o tema e divulgar os direitos deste público que nem sempre estão diretamente acessíveis, garantindo-lhes a permanência e conclusão de sua formação.

PALAVRAS-CHAVE: Gênero, Educação, Vulnerabilidade, NUGED, Diversidade e Saúde.


[1] LGBTQIA+ é o movimento político e social que defende a diversidade e busca mais representatividade e direitos para essa população. O seu nome demonstra a sua luta por mais igualdade e respeito à diversidade. Cada letra representa um grupo de pessoas. L (lésbicas), G (gays), B (bissexuais), T (transgênero), Q (Queer), I (Intersexo), A (Assexual).  O símbolo de “+ mais” no final da sigla aparece para incluir outras identidades de gênero e orientações sexuais que não se encaixam no padrão cis-heteronormativo, mas que não aparecem em destaque antes do símbolo. Maiores detalhes acessem: https://www.grupodignidade.org.br/wp-content/uploads/2018/05/manual-comunicacao-LGBTI.pdf .

 

Biografia do Autor

Lêda Glicério Glicério Mendonça, IFRJ

graduada em Farmácia pela Universidade Federal Fluminense (1990) e em Licenciatura em Química (2006). Atualmente faz parte do corpo docente do Bacharelado em Farmácia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Farmácia e na Graduação Tecnológica de Química, ministrando disciplinas de Deontologia, Boas Práticas de Fabricação e Inovação Tecnológica. Realiza pesquisa na área de Ensino em Ciências e Saúde (Especialização, Mestrado e Doutorado). Atualmente assume a Coordenação Geral de Inovação Tecnológica subordinada à Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação, além da suplência da Coordenação da Graduação em Farmácia. Atua também como Editora-gerente da Revista Científica Eletrônica Ciências&Idéias, publicação direcionada ao público interessado nas discussões da área de Ensino em Ciências e Matemática. http://lattes.cnpq.br/2976092635844829

Referências

ARAUJO, D.B. A Ciência e as relações de gênero. Estudos IAT, Salvador, v.1, n.1, p. 4-17, jun. 2010.

ARAÚJO, R. P. Gênero, diversidade sexual e Currículo: práticas discursivas de [não] subjetivação no ambiente escolar. Rio de Janeiro: Ed. Metanoia. 2016.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz diferença. Estudos Feministas. v. 19, n.2, 2011.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_lesbicas_gays.pdf. Acesso em: 18 mar 2019.

BUGADA, V.C.; BELTHER, J. M. Homofobia e violência de gênero: uma análise das violações de direitos e do preparo e da abordagem do tema pelos professores no IFSP. IV Congresso de Educação Profissional e Tecnológica – CONEPT. Araraquara, [s. l.], setembro 2018.

CARVALHO, M.P. O Conceito de Gênero: uma leitura com base nos trabalhos do GT Sociologia da Educação da ANPEd (1999-2009). Revista Brasileira de Educação. São Paulo, v. 16, n, 46, p 99-265, jan-abr 2011.

CUNHA et all. Postagens em rede social digital como meio de divulgação científica. Revista Diálogos Acadêmicos, Fortaleza, v. 9, n. especial, dez. 2020. P: 22-26. Disponível em: http://revista.fametro.com.br/index.php/RDA/article/view/296. Acesso em 18 mar 2021.

DE’CICCO, R.R. Diversidade sexual, escola e família: contribuições para a prática de ensino. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências. Rio de Janeiro, 2017. Fundação Oswaldo Cruz.

FREITAS, T. P.R.; SILVEIRA, J.B A..; / COSTA, P. M.M.; MICELI, B.S..; ROCHA, M.B. Museus de ciências em tempos de pandemia: uma análise no @Instagram do museu da vida. Revista Práxis, v. 12, n. 1 (Sup.), dezembro, 2020. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/3483. Acesso em: 25 mar 2021.

GUILHEM, D., 2000. Escravas do Risco – Bioética, Mulheres e AIDS. Tese de Doutorado, Brasília: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade de Brasília.

KOTLINSKI, K. Diversidade sexual – Uma breve introdução. Revista Digital Boa Forma Inteligente. 2012.

LERRI, M.R.et al. Características Clínicas de uma Amostra de Pessoas Transexuais. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Universidade de São Paulo, p. 545-551, 2017.

LOBÃO, I. (2019). O poetry slam na educação e divulgação científica: sexualidade e empoderamento feminino na eja. Trabalho de Conclusão de Curso de Pós Lato-sensu. Disponível em: https://portal.ifrj.edu.br/sites/default/files/IFRJ/Mesquita/posedc/iasmim_lobao_armindo.pdf. Acesso em: 4 jan 2021.

MARTINS, R. X. A covid-19 e o fim da educação a distância: um ensaio. EmRede - Revista de Educação a Distância, v. 7, n. 1, p. 242-256, 15 maio 2020.

MEC/INEP. Censo da Educação Superior 2017. Brasília | DF | setembro de 2018. Diretoria de Estatísticas Educacionais – Deed. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/97041-apresentac-a-o-censo-superior-u-ltimo/file.

MENDONÇA, L.G., SILVA, D.S.F., TARTARUGA, J.T., FERNANDES, M.E.S.L., RIBEIRO, P.V.S. “NUGED SOMOS” e as percepções sobre diversidade de gênero em instituição de ensino pública na zona oeste do Rio de Janeiro. VI Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente. Rio de Janeiro-UNIRIO, 2020. Disponível em: https://eneciencias.wixsite.com/2020/rodas-de-conversa.

MENDONÇA, R.H.; JOCA, A.M.; TORRES, M.A.; et. al. Educação e Diversidade Sexual. TV Escola, Programa Salto para o Futuro. Ano XXI, Boletim 04. maio, 2011. 45 p.

MIRANDA, A. P. M.; MAIA, B.; Olhares, xingamentos e agressões físicas: a presença e a (in)visibilidade de conflitos referentes às relações de gênero em escolas públicas do Rio de Janeiro. Horizontes Antropológicos, n 49 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ha/v23n49/0104-7183-ha-23-49-00177.pdf. Acesso em: 29 out 2020.

PARENT IN SCIENCE (2021). Informativo Mulheres e maternidade no Ensino superior no Brasil. Disponível em: https://327b604e-5cf4-492b-910b-e35e2bc67511.filesusr.com/ugd/0b341b_6ac0cc4d05734b56b460c9770cc071fc.pdf. Acesso em 21 jul 2021.

REIS, S. A.S. Ser mãe na universidade: uma análise da percepção de alunas gestantes e nutrizes acerca das políticas de assistência social de uma IFES. 2017. 31 f. Monografia (Graduação em Administração) - Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2017.

RODRIGUES, F.T.T. Anexo 4. In: RODRIGUES, F. T.T. Redes de atenção à saúde e população trans: obstáculos, recursos e possibilidades. Orientador: Marcele Bocater Paulo de Paiva. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019. p. 59.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de analise histórica. Educação & Realidade, [s. l.], v. 20, ed. 2, p. 71-99, 1995.

SCHIEBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? Tradução de Raul Fiker Bauru: São Paulo: EDUSC, 2001, 384p.

VANAZZI, B.M.R. Religião, Identidade e Mentalidade Fundamentalista: Gênero e Sexualidade no Brasil. Repositório CEUB Educação Superior. Brasilia: CEUB, 2019. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/prefix/13416

Downloads

Publicado

2022-01-15

Edição

Seção

Produto Educacional