ENSINO SOBRE A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E A ORIGEM DA VIDA: UMA PROPOSTA INVESTIGATIVA PARA A AULA INAUGURAL DE BIOLOGIA DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22407/2176-1477/2021.v12i4.1707

Palavras-chave:

Ensino de Biologia. Origem da vida. Natureza da Ciência. Ensino por Investigação.

Resumo

As representações que os alunos constroem sobre a origem da vida e sobre a produção do conhecimento científico são frequentemente distorcidas. Sendo assim, o objetivo desse trabalho foi desenvolver e analisar uma proposta investigativa sobre produção do conhecimento científico e origem da vida, realizada com alunos dos 1º anos do Ensino Médio Integrado. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de intervenção de aplicação de uma proposta investigativa em dois momentos diferentes (início de 2019 e início de 2020) com as turmas dos cursos de Informática, Agropecuária e Meio Ambiente. Os dados foram coletados por meio de formulário próprio respondido pelos alunos, memorial descritivo e observação participante, tendo sido analisados por meio da Análise Categorial Temática.  Os resultados apontam a proposta aplicada atendeu aos pressupostos do Ensino por Investigação, pois as situações problemas cotidianas foram o ponto de partida para a construção do conhecimento, por considerar e valorizar os conhecimentos prévios trazidos pelos estudantes, a ressignificação de conceitos e concepções ligados à origem da vida e produção do conhecimento científico, bem como a possibilidade de problematização da natureza da Ciência e da Tecnologia.

Biografia do Autor

Priscila Franco Binatto, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Mestre em Ensino de Ciências - Educação Científica e Formações de professores (UESB). Especialista em Ensino de Ciências por Investigação (UFMG). Licenciada em Biologia com 20 anos de experiência docente.

Professora efetiva de Biologia e Ecologia no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - MG desde 2015.

Marcelo Marcos Magalhães, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Possui graduação em Ciências Biológicas e Mestrado em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Ouro Preto (2010). Tem experiência na área de hidrobiologia com ênfase em macroinvertebrados bentônicos, limnologia e Ecologia da Conservação das Espécies Animais. Atuou como Professor e Coordenador do curso Técnico em Meio Ambiente, além de Chefe do Departamento de Pesquisa do IFBA.

Desde 2017 é Professor efetivo no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais / IFNMG e desenvolve a pesquisas na área de Ecologia da conservação.

Referências

AGUIAR, P. C. Aspectos epidemiológicos das parasitoses gastrintestinais de suínos naturalizados de criações familiares do Distrito Federal. 2009. 100 f. Dissertação de Mestrado em Saúde Animal, Universidade Federal de Brasília, Brasília, DF. 2009.

ANDRADE, J. A. P. As representações de alunos do ensino médio sobre a origem do bicho da carne e da goiaba: um enfoque da Teoria de Equilibração de Piaget. Diálogos Possíveis, v. 7, n. 2, 2008.

BASTOS, F.; NARDI, R.; DINIZ, R. E. S.; CALDEIRA, A. M. A. Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca do processo de ensino e aprendizagem em Ciências: revisando os debates sobre Construtivismo. In: Pesquisas em Ensino de Ciências - Contribuições para a formação de professores. São Paulo: Escrituras. 2004, p. 9-55.

BINATTO, P. F. Limitações e possibilidades de atividades investigativas para o ensino de ciências. 2012. 36 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização Ensino de Ciências por Investigação) - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2012.

BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? 2.a Ed. São Paulo: Ed. Ática, 2000.

CARVALHO, A. M. P., et al. Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Editora Thompson, 2004. 154 p.

CARVALHO, A. M. Ensino e aprendizagem de Ciências: referenciais teóricos e dados empíricos das sequências de ensino investigativas. In: M. D. Longhini, O Uno e o Diverso na Educação (1ª ed., Vol. 1, pp. 253-266). Uberlândia: EDUFU, 2011.

CARVALHO, A. M. P. de. In: Carvalho, A. M. P. (org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p. 02-10.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. Petropólis: Vozes, 2006.

CHRISPINO, A. Introdução aos enfoques CTS–Ciência, Tecnologia e Sociedade–na educação e no ensino. Documentos de trabajo de iberciencia, v. 4, 2017.

COLL, C. Psicologia e currículo: uma aproximação psicopedagógica à elaboração do currículo escolar. São Paulo: Ática, 3 ed., 1998.

DEBOER, G. E. Historical Perspectives on Inquiry Teaching in Schools. In: FLICK, L.B.; LEDERMAN, N. G. (Editores). Scientific Inquiry and Nature of Science: implications for teaching, learning and teacher education. Norwell: Kluwer Academic Publishen, 2006. p. 17-35.

GONÇALVES, R. P. N.; GOI, M. E. J. A experimentação investigativa no ensino de Ciências na educação básica. Revista Debates em Ensino de Química, v. 4, n. 2 (esp), p. 207-221, 2019.

GOUVEIA, D. S. M.; VITTORAZZI, D. L.; DA SILVA, A. M. T. B. A vida, suas origens e as representações de alunos do ensino médio: uma análise de suas potenciais implicações no ensino de ciências. Revista Ciências & Ideias ISSN: 2176-1477, v. 9, n. 3, p. 1-15, 2018.

JORGENSEN, D.L. Participant Observation: a methodology for human studies. London: Sage Publications, 1989.

LUZ, M. R. M. P.; POIAN, A. T. O ensino classificatório do metabolismo humano. Ciencia e Cultura, ISSN 2317-6660, São Paulo, v. 57, n. 4, p. 43-45, Dec. 2005 .

MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira. Pasteur e a geração espontânea: uma história equivocada. Filosofia e História da Biologia, v. 4, n. 1, p. 65-100, 2009.

MOREIRA, M. A.; OSTERMANN, F.. Sobre o ensino do método científico. Caderno catarinense de ensino de física. Florianópolis. Vol. 10, n. 2 (ago. 1993), p. 108-117, 1993.

MOURA, M. J. J.; VIEIRA, T. S. A origem da vida na terra: o que pensam sobre este tema estudantes do primeiro ano do ensino médio em escolas públicas do extremo norte do estado do Tocantins. In: VII CONNEPI-Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação. 2012.

MUNFORD, D. E LIMA, M.E.C.C. (2007). Ensinar ciências por investigação: em quê estamos de acordo? Revista Ensaio – Pesquisa em educação em Ciências, 9(1), 89-111.

NASCIMENTO, V. B. A natureza do conhecimento científico e o ensino de Ciências. In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa de Carvalho (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. p. 35-57.

NUNES, M.R. Problemática do vocabulário científico e o estudo etimológico como facilitador do conhecimento escolar de biologia. 2013. 81 f. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde) – Instituto de Educação, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2013.

NUNES, T. S. Características das hipóteses em sequências didáticas investigativas. 2016. Dissertação (Mestrado em Ensino de Biologia) - Ensino de Ciências (Física, Química e Biologia), University of São Paulo, São Paulo, 2016. doi:10.11606/D.81.2017.tde-29032017-172339.

OUVERNEY, R. R.; LAGE, D. A. A origem da vida na educação básica: uma abordagem a partir do método científico. Revista Práticas em Educação Básica, v. 1, 2016.

PINTO, A. T. Dissertação acerca da origem da vida. 1848. Dissertação Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1848.

PRAIA, J.; CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D. A hipótese e a experiência científica em educação em ciências: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação, v.8, n.2, 2002. p.253-262.

Downloads

Publicado

2022-01-15

Edição

Seção

Artigos Científicos