DIFICULDADES ESTRUTURANTES NA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA UAB PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE FÍSICA

Renato Santos Araújo, Deise Miranda Vianna

Resumo


O governo federal financiou uma política de formação de professores na modalidade a distância intitulada Sistema UAB, mas dificuldades metodológicas foram encontradas por diferentes pesquisadores. Esse contexto tornou pertinente o levantamento das dificuldades estruturantes para a implementação dessa política na formação de professores de física. Para isso, elaborou-se uma pesquisa qualitativa com os responsáveis por essa formação a distância. O universo da pesquisa foi composto por instituições de ensino superior e o governo federal. A amostra se caracterizou por ser não probabilística por seleção racional. O procedimento de coleta de dados adotado foi a entrevista semiestruturada, sobre as quais se aplicaram os princípios conceituais da Análise Temática de Bardin (1977). Ao todo foram identificados 21 temas envolvendo aspectos metodológicos, seus recursos humanos, os polos de apoio presencial, as vagas ociosas e a evasão. Os resultados mostram que, de um lado a academia aponta a má valorização do docente e o desinteresse dos licenciandos pela profissão como causas da falta de professores na Educação Básica, do outro, o governo insiste que a carência se deve à falta de formação. Além disso, os entrevistados afirmaram que os cursos a distância apenas adaptaram, de forma inapropriada e anacrônica, os cursos presenciais. Os materiais pedagógicos também foram citados como sendo de má qualidade, com pouco conteúdo e problemas pedagógicos. A formação dos tutores foi outro ponto crítico, visto que eles não tinham a formação específica e sequer a capacitação adequada. A entrega da administração dos polos de apoio presencial para os governos dos municípios e dos Estados também foi citada, pois os mesmos foram entregues com atraso e com infraestruturas e recursos humanos inadequados.


Palavras-chave


política pública; formação de professores; ensino de física; educação a distância

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA FOLHA. Na BA, prédio tem goteiras, falta luz e conexão é lenta. Folha de São Paulo. São Paulo, 29 de novembro de 2009. Cotidiano.

ARAUJO, R.S. Formação continuada de professores de Física: o desenvolvimento do Conhecimento Profissional. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Núcleo de Tecnologia Educacional da Saúde, 2005. (Dissertação, Mestrado). 170p.

ARAUJO, R.S. SANTOS, G. M. O. Formação de professores de física: o que dizem as estatísticas. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, ISSN 2236-2150 – V. 05, N. 4, p. 142-167, Dezembro, 2015

ARAUJO, R.S.; VIANNA, D.M. A história da legislação dos cursos de Licenciatura em Física no Brasil: do colonial presencial ao digital a distância. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 32, p. 4403-1-4403-11, 2010.

ARAUJO, R.S.; VIANNA, D.M. Discussões sobre a remuneração dos professores de física na educação básica. Ciência em Tela, V.1, N.2, 2008.

ARAUJO, R.S.; VIANNA, D.M. Formação de professores de Ciências e física na internet: porque um site de recomendação de conteúdos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. v. 8, n.1, 171-92, 2009.

ARAUJO, R.S.; VIANNA, D.M. Novas Tecnologias: os futuros professores saberão utilizá-las? In: Simpósio Nacional de Ensino de Física, XV. Anais... Paraná: SBF, 2003

ARAUJO, R.S.; VIANNA, D.M. UniEscola - seleção de conteúdos on-line e o estudo da capacitação de professores e licenciados em física para a utilização da internet na formação continuada e inicial. In: Congresso Internacional de Educação a Distância, XI. Anais... Salvador: ABED, 2004.

BAHIA. Decreto nº 7.530. Reconhece o Curso de Ciências em Licenciaturas Plenas em Física, Química, Matemática e Ciências Biológicas e autoriza a implantação dos Cursos de Bacharelado em Física, Matemática e Ciências Biológicas, ministrados na Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC – Ilhéus / Itabuna – BA. Diário Oficial do Estado da Bahia. 1999. Disponível em: < http://www.legislabahia.ba.gov.br/index.php/documentos/decreto-no-7530-de-18-de-fevereiro-de-1999> Acesso 15 Out. 2019.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70. 1977. p. 230.

BARRETO, A. L.; FILGUEIRAS, C. A. L.. Origens da Universidade Brasileira. Quím. Nova, São Paulo , v. 30, n. 7, p. 1780-1790, 2007 . Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422007000700050>. Acesso em 15 Out. 2019.

BRASIL. Decreto Nº 5.622, de 19 de dezembro. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 2005. Disponível em: Acesso em 15 Out. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.800, de 08 de junho. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB. 200b. Disponível em: Acesso em 15 Out. 2019.

BRASIL. Decreto Nº 9.057, de 25 de maio. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 , que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 2017. Disponível em: Acesso em 15 out. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória n. 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. 2008b. Disponível em: . Acesso em 15 Out. 2019.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: DF, v. 134, n. 248, dez.196. Seção I, p.27834-27841. 1996. Disponível em: . Acesso em 15 Out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de qualidade para educação superior a distância. Brasília: MEC, 2007. Disponível em: . Acesso em 15 Out. 2019.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Secretaria de Educação a Distância. TV na Escola e os Desafios de hoje – Tecnologias e Educação: Desafios e a TV Escola. Brasília: Editora Universidade de Brasília. 2001. 2°Ed: 116p.

CANDAU, V. Informática na Educação. Tecnologia Educacional. V.20, 14-23. 1991.

CAPRARA, A. A construção narrativa de problemas. In: MAMEDE, S.; PENAFORTE, J. (Org.) Aprendizagem baseada em problemas: anatomia de uma nova abordagem educacional. Fortaleza: Hucitec, 2001. p. 143-155.

CERNY, R. Z. UAB: democratização do ensino superior público ou reprodução das desigualdades?. Revista entreideias, Salvador, v. 1, n. 2, p. 87-106, jul./dez. 2012

DEMO, P. Metodologia científica em Ciências Sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas. 1995.

DIMENSTEIN, G. Desmoralizaram os professores. Folha de São Paulo. São Paulo, 01 fev. 2010a. Pensata. Disponível em: . Acesso em 15 Out. 2019.

DIMENSTEIN, G. O que você não vai ser quando crescer? Folha de São Paulo. São Paulo, 31 jan. 2010b. Cotidiano.

GATTI, B. A. Atratividade da carreira docente no Brasil. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. 2009. Disponível em: < http://www.zerohora.com.br/pdf/15141177.pdf>. Acesso em 15 Out. 2019.

GATTI, B. BARRETO, E.S.S. Professores no Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO. 2009. Disponível em: < https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000184682 >. Acessado em 15 Out. 2019.

GIANNELLA, T.R. A Teoria da Atividade como Abordagem Teórico-metodológica para o Desenvolvimento e a Análise de um Curso Virtual para Docentes Universitários: “A Internet no ensino superior: Recursos e Aplicações”. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, 2002. (Dissertação, Mestrado).

GIORDAN, M. O computador na Educação em Ciências: breve revisão crítica acerca de algumas formas de utilização. Ciênc. educ. (Bauru). V.11, n.2, 279-304. 2005

GRAEBER, W.; BUENDER, W.; NENTWIG, P. From Academic Knowledge to PCK: The need for transformation and contextualization of Knowledge. In: International Conference on Science Education Research in the Knowledge Based Society, III. Proceedings…Thessaloniki: ArtofText, 2001.

GRYMUZA, A. M. G.; RÊGO, R. G. Teoria da atividade: uma possibilidade no ensino de matemática. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v.23, n.2, p. 117-138. 2014

HERNANDES, P. R. A Universidade Aberta do Brasil e a democratização do Ensino Superior público. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., Rio de Janeiro , v. 25, n. 95, p. 283-307, Abril. 2017. Disponível em: . Acessado em 15 Out. 2019.

JONASSEN, D. Designing Constructivist Learning Environments. In: REIGELUTH C.M. (Ed.) Instructional Theories and Models. Mahwah: Lawrence Erlbaum, 2a ed, 1998. p. 1-21.

JONASSEN, D. Instructional design models for well-structured and ill-instructed problem solving learning outcomes. Educational Technology Research&Development. V.45, n.1, 65-94. 1997.

JONASSEN, D. O Uso das Novas Tecnologias na Educação a Distância e a Aprendizagem Construtivista. Em Aberto. Brasília. V.16, n.70, 70-88. 1996.

KENSKI, V.M. O Papel do Professor na Sociedade Digital. In: CASTRO, A.; CARVALHO, A.M.P (Orgs) Ensinar a Ensinar. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001. p. 95-106.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LLITJÓS, A. et al. Ciencia em el siglo XXI: Enseñanza de las Ciencias y entornos telemáticos interactivos. In: Enseñanza de las Ciencias, IV. Comunicaciones... Barcelona: Universitat Autònoma de Barcelona, 2001 (p. 149-50).

LOPES, A.; SANTOS, F.R.V.; ARAUJO, R.S. Desenvolvimento do conhecimento profissional de professores das ciências em um ambiente virtual construtivista . In: Congresso Internacional de Educação a Distância, XI. Anais… Salvador: ABED. 2004.

LOUZANO, P et al. Who wants to be teacher in Brazil? Are teacher being well prepared for classroom? São Paulo: Fundação Lemann. 2008.

LUZZI, D.A. O papel da educação a distância na mudança de paradigma educativo: da visão dicotômica ao continuum educativo. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, 2007. (Tese, doutorado)

MALDANER, O.; SCHNETZLER, R.P. A necessária conjugação da pesquisa e do ensino na formação de professores e professoras. In: CHASSOT, A.I.; OLIVEIRA, R.J. (Org.) Ciência, Ética e Cultura na Educação. São Leopoldo: Unisinos, 1998. p. 195-214.

MOREIRA, M.A. Aprendizagem significativa subversiva. In: Encontro Internacional sobre Aprendizagem Significativa, III. Anais... Peniche: Universidade aberta. 2000. (p. 33-45)

OLIVEIRA, A.P. NET investe R$ 5 milhões em educação a distância. Computerworld. 29 de Jan. de 2004.

PESSANHA, M. Análise de um Ambiente Construtivista de Aprendizagem a Distância: Estudo da Interatividade, da Cooperação e da Autonomia no Curso de Gestão Descentralizada de Recursos Humanos em Saúde. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, 2000. (Dissertação, Mestrado).

PINHO, A. 6% das vagas no 1º ano não são preenchidas. Folha de São Paulo. São Paulo, 4 de janeiro de 2010a. Cotidiano.

PINHO, A. Licenciaturas têm menor nota de corte no Enem. Folha de São Paulo. São Paulo, 04 de fevereiro de 2010b. Cotidiano

PORLÁN, R.; RIVERO, A. El conocimiento de los profesores: uma proposta en el área de ciencias. Sevilha: Diáda. 1998.

RATIER, R. Ser professor: uma escolha de poucos. Nova Escola. 2010. Disponível em: < https://novaescola.org.br/conteudo/444/ser-professor-escolha-poucos-docencia-atratividade-carreira-vestibular-pedagogia-licenciatura>. Acesso em 15 Out. 2019.

REIS, E. et al. Ambientes de Aprendizagem e a formação prático-reflexiva de professores de Física. In: Encontro de Pesquisa em Ensino de Física, IX. Anais... Jaboticatuba: SBF, 2004.

REIS, E. Formação continuada a distância de professores de Física do nível médio: desenvolvimento e avaliação de um curso piloto com suporte na Internet. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, 2001. (Dissertação, Mestrado).

REIS, E.M. Limites e possibilidades de um espaço virtual de aprendizagem no ensino e na formação de professores de Física. Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Norte Fluminense, 2008. (Tese, Doutorado).

RICHARDSON, R.J. et al. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas. 1985.

SANTOS, F.R.V. et al. InterAge: um ambiente virtual construtivista para formação continuada de professores de Física. Caderno Catarinense de Ensino de Física. V.20, n.3, 372-90. 2003.

SANTOS, F.R.V.; BARROS, S.S. Diseño Instrucional de un sistema hypermedia utilizando elementos del cambio y del desarrollo conceptual para la aprendizaje de la fisica. Enseñanza de lasCiencias. n.Extra, 103-9. 2003.

SAVERY, J.; DUFFY, T. Problem Based Learning: An Instructional Model and Its Constructivist Framework. Educational Technology. V.35, n.5, 31-37. 1995.

SBPC. Sugestões para a formação de professores da área científica para escolas de 1o. e 2o. graus. Ciência e Cultura. V.33, n.3, 369-77. 1981.

SCHNETZLER, R.P. O professor de Ciências : problemas e tendências de sua formação. In: SCHNELZER, R.P.; ARAGÃO, R.M.R. (Orgs.) Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Campinas: CAPES/ UNIMEP. 2000.

SCHÖN, D. Educando o Profissional Reflexivo. Porto Alegre: Artes Médicas. 2000.

SHULMAN, L. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Havard Educational Review. V.57, n.1, 1-22. 1987.

SOUSA, Andréia da Silva Quintanilha; MACIEL, Carina Elisabeth. Expansão da educação superior: permanência e evasão em cursos da universidade aberta do Brasil. Educ. rev., Belo Horizonte , v. 32, n. 4, p. 175-204, Dec. 2016. Disponível em: . Acesso em 15 Out. 2019.

STRUCHINER, M. et al.. Elementos Fundamentais para o Desenvolvimento de Ambientes Construtivistas de Aprendizagem a Distância. Tecnologia Educacional. V.26, n.142, 3-11. 1998.

TAKAHASHI, F. Tribunal vê falhas em ensino a distância. Folha de São Paulo. São Paulo, 29 de novembro de 2009. Cotidiano. Disponível em: < http://www.andifes.org.br/tribunal-ve-falhas-em-ensino-a-distancia/>. Acesso em 15 Out. 2019.

TRIGUEIROS, M. Un Proyecto de Enseñanza de la Física contecnología para laescuela secundaria. In: Enseñanza de lasCiencias, IV. Comunicaciones... Barcelona: UniversitatAutònoma de Barcelona, 2001 (p. 291-2).

WELLE, D. Parlamento francês aprova proibição dos celulares em escolas na França. G1. Educação. 2018. Disponível em: . Acesso em 15 Out. 2019.

WILSON, B. What is a Constructivist Learning Environment: Case Studies in Instructional Design. Englewood Cliffs. NJ: Educational Technology Publication. 1996. p. 3-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2176-1477/2020.v11i1.1332

ISSN: 2176-1477