LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO COLÉGIO PEDRO II - A EXPERIÊNCIA DA BIDOCÊNCIA

Marília Duarte Lopes Talina, Helena Amaral Fontoura

Resumo


Este artigo se propõe a apresentar a experiência da bidocência no ensino de Ciências nos anos iniciais do ensino fundamental no Colégio Pedro II, escola pública do Rio de Janeiro que utiliza esta estratégia metodológica desde 1985, apresentando-se como rico campo de pesquisa. O objetivo deste artigo é apresentar a bidocência como uma estratégia de ensino colaborativo a serviço do ensino de Ciências, visando desenvolver a alfabetização científica entre as crianças, desde o primeiro ano de escolaridade. Este estudo define o conceito de bidocência, apontando sua origem na Educação Especial, baseando-se em referenciais teóricos como Beyer (2005), Tardif (2014), Argüelles et al. (2000) e apresenta os resultados da pesquisa descritiva, de cunho qualitativo que teve dados coletados através de entrevistas com docentes do Colégio Pedro II. Descreve também a dinâmica de trabalho da bidocência nas aulas de Ciências e proporciona uma breve análise sobre as relações no trabalho docente, apontando algumas questões associadas a gestão escolar que interferem nas escolhas pedagógicas. Os resultados da pesquisa indicam que embora a experiência da bidocência apresente limitações e dificuldades em sua implantação e manutenção, pode ser uma estratégia de ensino válida para o enriquecimento das relações pedagógicas trazendo contribuições para o processo ensino e aprendizagem de Ciências nos anos iniciais

 


Palavras-chave


Bidocência, ensino de Ciências, anos iniciais

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Tiago Yamazaki I. O laboratório de Ciências e a realidade dos docentes das escolas estaduais de São Carlos - SP. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2014.

________; COSTA, Michelle. B. O Laboratório de Ciências e a Realidade dos Docentes das Escolas Estaduais de São Carlos-SP. Química Nova na Escola. São Paulo SP. Vol. 38, N° 3, p. 208-214. Agosto, 2015.

ARGÜELLES, M. E., HUGHES, M. T., & SCHUMM, J. S. Co-Teaching: A Different Approach to Inclusion. 2000. Principal (Reston, Va.), 79(4), 50-1.

BATISTA, Renata F. M; SILVA, Cibelle C. A abordagem histórico-investigativa no ensino de Ciências. Estudos Avançados vol.32. nº 34. São Paulo. Set/Dez 2018.

BEYER, Hugo Otto. O pioneirismo da escola Flämming na proposta de integração (inclusão) escolar na Alemanha: aspectos pedagógicos decorrentes. Revista Educação Especial. Santa Maria, n. 25, jan. 2005.

BORGES, A. Tarcísio. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 291-313, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

________. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 1996.

________. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.

________. Marcos Político Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. 2010.

_______. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 542p

________. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em setembro de 2019.

CAUSSI, Jéssica R. Docência compartilhada nos anos iniciais do ensino fundamental de 9 anos. Porto Alegre, 2013. Disponível em:

. Acesso em setembro de 2016.

CPII. Projeto Político Pedagógico do Colégio Pedro II – PPP. Rio de Janeiro, 2001

_________. Projeto Político Pedagógico Institucional do Colégio Pedro II– PPPI. Rio de Janeiro, 2017.

FERREIRA, Bárbara C.; MENDES, Enicéia Gonçalves; ALMEIDA, Maria Amélia; DEL PRETTE, Zilda A. P. Parceria colaborativa: descrição de uma experiência entre o ensino regular e especial. Revista do Centro de Educação/Cadernos, UFSM, n. 29, Edição 2007, São Paulo. Disponível em: http://coralx.ufsm.br/revce/ceesp/2007/01/a1.htm. Acesso em setembro de 2016.

GARCIA, Carlos Marcelo. A Identidade docente: constantes e desafios. Formação Docente: Revista de Ciências da Educação, v.1, nº. 1, ago./dez. 2009, p. 109-131. Disponível em https://idus.us.es/xmlui/handle/11441/29196. Acesso em agosto de 2018.

GLAT, Rosana. A integração social dos portadores de deficiência: uma reflexão. Rio de Janeiro: Sette Letras, 2005.

MARANDINO, M.; SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Ensino de Biologia: Histórias e Práticas em Diferentes Espaços Educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: A Proposição e a Procura de Indicadores do Processo. Investigações em Ensino de Ciências, v 13(3), 2008. P.333-352.

STAINBACK, S & STAINBACK, W. Inclusão: Um Guia para Educadores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. 17ª ed. Petrópolis. RJ: Vozes, 2014.

TRAVERSINI, C. S; RODRIGUES, M. B; FREITAS, J. O desafio de exercer a docência e constituir-se como aluno no projeto de docência compartilhada. Porto Alegre: UFRGS, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2176-1477/2020.v11i1.1187

ISSN: 2176-1477