RESOLUÇÕES DE PROBLEMAS: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES DE FÍSICA DO PROCESSO SELETIVO DA UEPA DO ANO DE 2015

Igor Ramon Sinimbú Miranda, Leda Yumi Hirai, Frederico da Silva Bicalho

Resumo


O Ensino de Física enfrenta alguns entraves frequentes, além de sofrer uma forte influência da cultura do vestibular. Pode-se então ressaltar metodologias que incitam o aprendizado de forma fragmentada, com muitas resoluções sistemáticas e tecnicistas, onde os alunos não aprendem como resolver problemas, apenas utilizam algoritmos e mecanismos que favorecem a memorização conceitual. Dessa maneira, foi estudado a estruturação das provas de Física presente no Processo Seletivo (PROSEL) da Universidade do Estado do Pará (UEPA), do ano de 2015. Fez-se então, uma análise quantitativa dos dados que nos foram fornecidos pela Universidade, assim como, analisamos qualitativamente das questões presentes nos exames, tomando como base o Arco da Problematização de Maguerez e a teoria específica para solução de problemas de física de Harvey Mudd, ambas divididas em cinco etapas, para obtermos uma visão sistemática do panorama do Ensino Médio no Estado do Pará, mapeando também as dificuldades dos estudantes. Em síntese, constatamos grande divergência dos dados esperados pela UEPA para com os verdadeiramente obtidos.


Palavras-chave


Ensino de física; problematização; vestibular

Texto completo:

PDF

Referências


BERBEL, N. A. N. Metodologia da Problematização no Ensino Superior e sua contribuição para o plano da praxis. Semina: v.17, n. esp., p.7-17, 1996.

CHI, M.T.H., FELTOVICH, P.J. e GLASER, R. (1981). Expertise in problem solving. Em R. Sternberg (Ed.), Advances in the psychology of human intelligence, 1. Hillsdale, N.J.: Lawrence Erlbaum Associates.

CHIZOTTI, A. Pesquisas em ciências humanas e sociais. São Paulo : Cortez, 1995.

COLOMBO, A. A.; Berbel, N. A. N. A Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez e sua relação com os saberes de professores. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 28, n. 2, p. 121-146, jul./dez. 2007

GARRET, R. M., SATTERLY, D., GIL PÉREZ, D. & MARTINEZ TORREGROSA, J. Turning exercises into problems: an experimental study with teacher and training. International Journal of Science Education. V.12, n.1, p. 1-12, 1990.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOY, Z.; ESPINOSA, P. R.. Saben los maestros la física que enseñan? Enseñanza de las Ciencias, v. 7, n. 3, p. 251-256, 1989.

LOPES, A. C. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? Revista Brasileira de Educação, São Paulo; 2004n. 26, pp. 109-118.

LOPES, B.; COST, N. Modelo de enseñanza-aprendizaje centrado en la resolución de problemas: fundamentación, presentación e implicaciones educativas. Enseñanza de las Ciencias, v.14, n.1, p. 45-61, 1996.

MALONEY, D. P. An Overview of Physics Education Research on Problem Solving. Physic Educational Research, v. 2, n. 2, p. 1 – 33. 2011.

MUDD, H. 1997. How To Solve Physics Problems (College Physics Department). Disponível em: . Acesso em: 15 de Novembro 2017.

PÉREZ, Daniel Gil et al. Questionando a didática de resolução de problemas: elaboração de um modelo alternativo. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 9, n. 1, p. 7-19, 1992.

SOARES, C M SG; FÁVERO, MH (1999). A Física na escola: um estudo sobre as representações sociais do ensinar e do aprender. Atas do I Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Valinhos, SP, 01 a 04 de setembro.

VILLANI, A. Reflexões sobre dificuldades cognitivas dos professores de Física. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v.8, n.1, p. 7-13, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2176-1477/2020.v11i1.1181

ISSN: 2176-1477