CONTRIBUIÇÕES DAS INTERAÇÕES DISCURSIVAS EM ETAPAS DE EXPERIMENTAÇÃO INVESTIGATIVA EM UM CLUBE DE CIÊNCIAS

Gladson Lima Nery, João Manoel da Silva Malheiro, Odete Pacubi Baierl Teixeira

Resumo


Esta pesquisa de abordagem qualitativa analisa como as interações discursivas e reflexões de um professor-monitor durante uma Sequência de Ensino Investigativo (SEI) adotada em um Clube de Ciências, conduzem os alunos ao conhecimento científico após a resolução de um problema. Através de videogravação, diário de campo e entrevistas as informações foram constituídas junto a um professor-monitor e oito alunos. Os resultados mostram padrões nas interações durante a Abordagem Comunicativa em direção ao conhecimento científico na solução de um problema. Em geral, a experimentação investigativa torna-se uma abordagem potencial para interações, por não oferecer procedimentos automáticos para a resolução de problema. Nesse sentido, as atividades não devem se limitar apenas a visualização de fenômenos, fazendo os alunos relacionarem à realidade apenas pelo que é conceitual e visível. O uso da SEI será mais eficaz, na medida em que procura dar conta de questões interativas que se apresentam no ensino de ciências.


Palavras-chave


Interações Discursivas; Experimentação Investigativa; Clube de Ciências.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR JR, O.; MORTIMER, E. F. Tomada de consciência de conflitos: análise da atividade discursiva de uma aula de ciências. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 10, n. 2, p. 01-23. 2005.

ALMEIDA, W. N. C. A argumentação e a experimentação investigativa no ensino de matemática: O Problema das Formas em um Clube de Ciências. 2017.109f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação em Ciências e Matemáticas) - Universidade Federal do Pará, Belém (PA), 2017.

AMARAL, E. M. R.; MORTIMER, E. F. Proposta metodológica para análise de dinâmica discursiva em sala de aula. V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – V – ENPEC – ATAS. Bauru (SP): ABRAPEC, 2005.

AZEVEDO, M. C. P. S.; Ensino por investigação: problematizado as atividades em sala de aula. In CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. p. 19-33.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 6ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

CAPECCHI, M. C. V.; CARVALHO, A. M. P.; SILVA, D. Relações entre o Discurso do Professor e a Argumentação dos Alunos em uma Aula de Física. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 02, n. 2, p. 189-208, 2002.

CARVALHO, A. M. P.; VANNUCCHI, A. I.; BARROS, M. A.; GONÇALVES, M. E. R.; REY, R. C. Ciências no ensino fundamental: O conhecimento físico. São Paulo: Scipione, 2009.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: Carvalho, A. M. P. (Org.) Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p. 1-20.

CARVALHO, A.M.; SASSERON, L. H. Ações e indicadores da construção de argumento em aulas de Ciências. Revista Ensino, v.15, n.2, p.16-189, 2013.

DRIVER, R.; NEWTON, P.; OSBORNE, J. Establishing the norms of scientific argumentation in classrooms. Science Education, Hoboken, v. 84, n. 3, p. 287-312. 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia - Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

FURLANI, J. M. S.; MORTIMER, E. F. A apropriação de um currículo de Química na prática de sala de aula. IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IV – ENPEC – ATAS. Bauru: ABRAPEC, 2003.

GENTIL, V. Corrosão. 3ª ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1994.

GIL-PÉREZ, D. Orientações didáticas para a formação continuada de professores de Ciências. In Menezes, L. C. (Org.). Formação Continuada de Professores de Ciências no âmbito ibero-americano. Coleção Formação de Professores. Tradução de Inés Prieto Schimidt, S. S. Campinas: Autores Associados; São Paulo: NUPES, 1996.

Autor 2, 2009

Autor 2, 2016

Autor 2, 2017

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa crítica. Porto Alegre: Editora do Autor, 2005.

MORTIMER, E. F. Linguagem e Formação de Conceitos no Ensino de Ciências. Belo Horizonte: ed. UFMG, 2000.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H. Elaboração de Conflitos e Anomalias em Sala de Aula. In: Eduardo F. Mortimer, Ana Luiza B. Smolka. (Orgs). Linguagem, Cultura e Cognição: Reflexões para o Ensino de Ciências e a Sala de Aula. 1ª ed, Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 107-138.

MORTIMER, E. F.; SCOTT, P. Atividade Discursiva nas Salas de Aula de Ciências: Uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações no Ensino de Ciências. Porto Alegre, v. 7, n. 3, 2002.

Autor 2, 2018.

OLIVEIRA, C. M. A. O que se fala e se escreve nas aulas de Ciências? In: CARVALHO, A. M. P. (Org.) Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula – São Paulo: Cengage Learning, 2013, p. 63-75.

PESSOA, W. R. Interações sociais em aulas de química: a conservação de alimentos como tema de estudos. 2005. 84f. Dissertação (Mestrado)– Núcleo Pedagógico de Apoio ao Desenvolvimento Científico. Universidade Federal do Pará, Belém, 2006.

PESSOA, W. R.; ALVES, J. M. Interações discursivas em aulas de química sobre conservação de alimentos, no 1º ano do ensino médio. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. v. 7, n.1, p. 243-260, 2008.

ROSA, M. I. F. P. S.; SCHNETZLER, R. P. Sobre a importância do conceito transformação química no processo de aquisição do conhecimento químico. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 8, p. 31-35, nov. 1998.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. 3ª ed. São Paulo: McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ltda., 2006.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F.; SCOTT, P. H. A Argumentação em Discussões Sócio-Científicas: Reflexões a Partir de um Estudo de Caso. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Porto Alegre – RS, v.1, n.1, p. 140-152, 2001.

SASSERON, L. H., Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In: Anna Maria Pessoa de Carvalho. (Org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, v. 1, p. 41-62, 2013.

SCOTT, P. H. Teacher talk and meaning making in science classrooms: A Vygotskian analysis and review. Studies in Science Education, local, v. 32, p. 45-80. 1998.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

SILVA, A. A. B. Interações Discursivas Em Um Curso De Férias: A constituição do conhecimento científico sob a perspectiva da Aprendizagem Baseada em Problemas. 2015. 89f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) - IEMCI/Universidade federal, 2015.

Autor 2, Autor 1 e outros, 2017

SOUZA, V. F. M.; SASSERON, L. H. As interações discursivas no ensino de física: a promoção da discussão pelo professor e a alfabetização científica dos alunos. Ciênc. educ. Bauru, vol.18, n.3, p. 20, 2012.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis (RJ): Vozes, 2002.

VYGOTSKY, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 2002.

WERTSCH, J. V. Voices of the mind: A sociocultural approach to mediated action. Harvester Wheatsheaf, 1991.

ZANON, L. B.; PALHARINI, E. M. A Química no Ensino Fundamental de Ciências. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 2, p. 15-18, Nov. 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2176-1477/2020.v11i1.1121

ISSN: 2176-1477