PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO SOBRE O USO EDUCACIONAL DO CINEMA

Cilmar Santos de Castro, Francisco Romão Ferreira, Lucia Rodriguez De La Rocque, Eliane Portes Vargas

Resumo


O presente artigo aborda a utilização do cinema como instrumento educacional em práticas docentes no Ensino Médio, tendo como sujeitos professores que trabalham no Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) em instituição federal, especificamente atuantes em disciplinas básicas. O trabalho investigativo é decorrência de pesquisa de doutorado na área de Ensino de Ciências do Programa de Pós-graduação stricto sensu em Ensino em Biociências e Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ - RJ)  e constitui‑se como pesquisa qualitativa que busca ampliar a compreensão sobre como docentes concebem, planejam e realizam atividades com o cinema. As análises aqui apresentadas permitiram consolidar vínculo entre fundamentos teóricos-conceituais sobre o uso do cinema em ambientes educativos e o conjunto de informações levantadas a partir de entrevistas com os docentes participantes da investigação, coadunando teoria e prática.
Os resultados obtidos sinalizam que o potencial de uso do cinema vai muito além do caráter meramente ilustrativo, estabelecendo diálogos profícuos com características intrínsecas e relevantes para o Ensino de Ciências, como imaginação, reflexão crítica e conjecturabilidade. Assim, o estudo favorece o entendimento das reais vivências e desafios que professores enfrentam para implementação das suas atividades com o cinema no cotidiano de sala de aula e estimula, a outros pesquisadores e docentes, o aprofundamento no conhecimento e na realização de novas iniciativas, na perspectiva de agregar o componente artístico aos conhecimentos científicos, em diversificadas disciplinas e com estratégias variadas.


Palavras-chave


Práticas docentes; cinema; ensino de ciências; ensino médio; ficção científica

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BASTOS, Wagner Gonçalves, et al. A questão do reendereçamento na recepção audiovisual em uma aula de biologia. In: XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (XI ENPEC), Florianópolis, 2017.

BRASIL. Medida provisória n. 2.228-1, de 6 de setembro de 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/2228-1.htm. Acesso em 03 jan 2018.

BUENO FISCHER, Maria Rosa. Cinema e juventude: uma discussão sobre ética das imagens. Revista Educação, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 42-51, jan./abr. 2014.

COSTA, Marco Antonio F. da; COSTA, Maria de Fátima Barrozo da. Projeto de pesquisa: Entenda e faça. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

DUARTE, Rosália. Cinema e Educação. Belo Horizonte: Autêntica; 2002.

DUFOUR. Éric. O cinema de ficção científica. Lisboa: Ed. Texto & grafia, 2012.

EDGAR-HUNT, Robert; MARLAND, John; RAWLE, Steve. A linguagem do cinema. Porto Alegre: Bookman, 2013.

FERREIRA, Rodrigo de Almeida. Luz, câmera e história: práticas de ensino com o cinema. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

FRESQUET, Adriana. Cinema e Educação: reflexões e experiências com professores e estudantes da educação básica, dentro e “fora” da escola. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

GARDIES, René. Compreender o cinema e as imagens. Lisboa: Ed. Texto & Grafia., 2011.

GATTI, Bernardete Angelina. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

LEIVAS, Regina Zauk. Educação e cineclubismo em trânsito afetivo: cineclubar para educar. In: ALVES, Giovanni; MACEDO, Felipe (orgs). Cineclube, Cinema e Educação. Londrina, PR: Editora Práxis, 2010.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993.

MARTEL, Frederic. Mainstream: a guerra global das mídias e das culturas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

McKEE, Robert. Story: substância, estrutura. Estilo e os princípios da escrita de roteiro. Curitiba: Arte & Letra, 2016.

METZ, Christian. A significação no cinema. São Paulo: Perspectiva, 2014.

MARTIN, Marcel. A linguagem Cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2013.

MORIN, Edgar. O cinema ou o homem imaginário: ensaio de antropologia sociológica. São Paulo: É Realizações, 2014.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto; 2003.

NUNES, Edson de Oliveira. Educação Superior no Brasil: estudos, debates, controvérsias. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

PFROMM NETO, Samuel. Telas que ensinam: Mídia e aprendizagem do cinema ao computador. Campinas: Alínea; 2001.

PIASSI, Luis Paulo de Carvalho; PIETROCOLA, Maurício. Ficção científica e ensino de ciências: para além do método de “encontrar erros em filmes”. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.35, n.3, p. 525-540, set./dez. 2009.

ROSENFELD, Anatol. Cinema: Arte e Indústria. São Paulo: Perspectiva, 2013.

TEIXEIRA, Inês Assunção de castro (et al.). Telas da docência: professores, professoras e cinema. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2176-1477/2020.v11i1.1059

ISSN: 2176-1477