RELACIONANDO A FORMAÇÃO INTEGRAL COM O ENSINO DA ARGUMENTAÇÃO E A PRÁTICA DOCENTE

Viviane Oliveira de Jesus, Samuel de Carvalho Lima

Resumo


O objetivo deste artigo é relacionar a formação humana integral com o ensino da argumentação e a prática docente de modo a propiciar oportunidades de constituição do cidadão crítico-reflexivo. Toma-se como base o trabalho como princípio educativo para fomentar a educação libertadora que leva o aluno a refletir sobre seu lugar no mundo do trabalho e interferir sobre ele. Ressalta-se que o fazer pedagógico na disciplina de Língua Portuguesa do Ensino Médio Integrado constitui-se um facilitador nos processos de construção do pensamento crítico por meio do ensino da argumentação. O trabalho do educador, através da prática docente, consciente de seu papel mediador, possibilita um modo de aprendizagem amplo. Esta reflexão se ampara nas bases conceituais da Educação Profissional e Tecnológica, elucidando o ensino da argumentação e o papel da prática docente. Conclui-se que o ato de argumentar é condição fundamental na formação do cidadão crítico-reflexivo e que a educação deve proporcionar a aprendizagem dessa habilidade por meio de seu ensino em sala de aula.


Palavras-chave


Formação Integral; Argumentação; Prática Docente.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, Jean-Michel. Textos: tipos e protótipos. Tradução Mônica Magalhães et al. São Paulo: Contexto, 2019.

ALVES, Cléia Maria; DANTAS, Anna Rafaella de Paiva; SOUZA, Francisco das Chagas Silva. Que cidadão devemos formar? Os desafios do ensino de história na educação básica. REVES - Revista Relações Sociais, v. 2, n. 1, p. 0119-0131, 18 fev. 2019. Disponível em: < https://periodicos.ufv.br/reves/article/view/3235>. Acesso em: 28 abr. 2020.

ARAUJO, Ronaldo Marcos de Lima; FRIGOTTO, Gaudêncio. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão, v. 52, n. 38, p. 61–80, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Os gêneros do discurso. In:_____. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 6.ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011. p. 261-306.

BARBISAN. Leci Borges. Uma proposta para o ensino de argumentação. Letras de hoje. Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 111-138, junho, 2007. Disponível em:< https://core.ac.uk/download/pdf/25531574.pdf>. Acesso em: 29 abr. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 2018, Seção 1, pp. 21-24. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=102481-rceb003-18&category_slug=novembro-2018-pdf&Itemid=30192 > Acesso em: 26 abr. 2020.

_______. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.

394/96. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2018.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2018.

COSTA-MACIEL, Débora Amorim Gomes da; BILRO, Fabrini Katrine da Silva. O que é ensinar a oralidade? Análise de proposições didáticas apresentadas em livros destinados aos anos iniciais da educação básica. Educação em revista, Belo Horizonte, v. 34, e165712, 2018. Disponível em . Acesso em 28 abr. 2020. Epub 27-Ago-2018. https://doi.org/10.1590/0102-4698165712.

FERRAZ, Arthur Tadeu; SASSERON, Lúcia Helena. Espaço interativo de argumentação colaborativa: condições criadas pelo professor para promover argumentação em aulas investigativas. Ensaio Pesquisa em Educação e Ciências (Belo Horizonte), Belo Horizonte, v. 19, e2658, 2017. Disponível em: . Acesso em 29 abr. 2020. Epub 23-Out-2017. https://doi.org/10.1590/1983-21172017190117.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 56. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise (Org.) Ensino médio integrado: concepções e contradições. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

KOCH, Ingedore Villaça. Introdução à linguística textual: trajetória e grandes temas. 2. ed., São Paulo: Contexto, 2018.

LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, Coordenação de edificações técnicas, 2017.

LIBERALI, Fernanda Coelho. Argumentação em contexto escolar. Campinas: Pontes Editores, 2013.

[informação suprimida]

[informação suprimida]

LIRA, Jordana Tavares et al. A sala de aula invertida como estratégia do desenho universal para a aprendizagem na educação profissional. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 11, p. 24882-24892, 2019. ISSN 2525-8761. Disponível em: < http://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/4606/4273>. Data de acesso: 28 abr. 2020.

MACHADO, Lucília Regina de Souza. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 8-22, jul. 2015. ISSN 2447-1801. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2020. doi:https://doi.org/10.15628/rbept.2008.2862.

MAGALHÃES, Tânia Guedes; CARVALHO, Thalita de Almeida Bessa. (2018). Análise do eixo da oralidade na Proposta Curricular de Língua Portuguesa da rede municipal de ensino de Juiz de Fora (MG). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 99, n. 251, p. 111-131, 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2020. Doi: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.99i251.3247.

MARCUSCHI. Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010. p. 20-38.

MOURA, Dante Henrique; LIMA FILHO, Domingos Leite; SILVA, Mônica Ribeiro. Politecnia e formação integrada: confrontos conceituais, projetos políticos e contradições históricas da educação brasileira. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 63, p. 1057–1080, 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2020.

NONATO, Sandoval. Oralidade, ensino de língua portuguesa e formação do professor. Revista brasileira de linguista aplicada, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 49-68, março de 2019. Disponível em . Acesso em 28 de abril de 2020. https://doi.org/10.1590/1984-6398201913577.

[informação suprimida]

SAVIANI, Dermeval. O choque teórico da politecnia. Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro, v.1, n.1 p. 131-152. 2003. Disponível em: Acesso em: 25 nov. 2018.

_______. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação. Campinas, v. 12, n. 32, p. 152-180, jan. abr. 2007. Disponível em: Acesso em: 29 abr. 2020.

TAKARA, Samilo; TERUYA, Teresa Kazuko. Por uma Didática Não-Fascista: problematizando a formação docente à educação básica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 4, p. 1169-1189, dez. 2015. Disponível em . Acesso em 29 abr. 2020. Epub 25-Ago-2015. https://doi.org/10.1590/2175-623646035.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 2a edição. Tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2018. 376p.

XAVIER, Amanda Rezende Costa; TOTI, Michelle Cristine da Silva; AZEVEDO, Maria Antonia Ramos de. Institucionalização da formação docente: análise de um programa de desenvolvimento profissional. Revista brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 98, n. 249, p. 332-346, 2017. ISSN 2176-6681. Disponível em: < http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/rbep/article/view/3373 >. Acesso em: 28 abr. 2020. Doi: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.98i249.2830.

XAVIER, Glayci Kelli R. S.; SIQUEIRA, Sirley Ribeiro. Pensar por si e dizer o que pensa: o ensino da argumentação e a formação de sujeitos autônomos. Entrepalavras, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 72-92, abr. 2019. ISSN 2237-6321. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2020. doi:http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-11388.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Viviane Oliveira de Jesus, Samuel de Carvalho Lima

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.