OLIMPÍADA CIENTÍFICA COMO INFLUÊNCIA FORMATIVA NO ENSINO BÁSICO

Juliana Delucia, Matheus Martins da Silva, Brenda Carolina Estevam, Gabriela Carvalho Alves, Marcella Mazzarin Bárbara, Vera Aparecida Tiera, Jackson Gois

Resumo


Nesse trabalho apresentamos o relato de experiência de uma olimpíada de ciências realizada com o objetivo de aproximar alunos de ensino básico da universidade pública. O grupo PIBID Química da UNESP Rio Preto elaborou e executou as atividades aqui relatadas, a partir de onde coletamos dados que mostram o que chamamos de “influência formativa” das atividades. Em especial, defendemos que atividades dessa natureza devem ser elaboradas com foco mais amplo, para além da mera disputa e premiação. Percebemos que a aproximação desses alunos de ensino básico na direção da universidade tem o potencial de modificar sensivelmente suas percepções sobre ciências.

Palavras-chave


olimpíada de ciências; divulgação científica; influência formativa; pibid

Texto completo:

PDF

Referências


BUENO, W. da C. Jornalismo científico: revisitando o conceito. In: VICTOR, C.; CALDAS, G.; BORTOLIERO, S. (Org.). Jornalismo científico e desenvolvimento sustentável. São Paulo: All Print, 2009, p. 157-178.

LEMKE, J. Articulating Communities: Sociocultural Perspectives on Science Education. Journal of Research in Science Teaching, vol. 38, n. 3, pp. 296-316, 2000.

BRASIL, MEC - Ministério da Educação, CNPq – Conselho Nacional de Pesquisa, Resultados do edital de olimpíadas escolares, Acesso em 21/02/2017.

CUNHA, M. B; PERES, O. M. R.; GIORDAN, M.; BERTOLDO, G. Q. M.; DUNCKE, A. C. As mulheres na ciência: o interesse das estudantes brasileiras pela carreira científica. Educacion Quimica, 25 (4), pp. 407-417, 2014.

JOHNSON, D. W.; JOHNSON, R. T. Motivational process in cooperative, competitive and individualistic learning situation. In: AMES, C.; AMES, R. (Ed.). Research on motivation in education, v. 2: The Classroom Milieu. New York, Academic Press, p. 249-277, 1985.

MENEGUELLO, C. Olimpíada nacional em História do Brasil – uma aventura intelectual. Revista História Hoje, v. 5, n. 14, 2011.

NOGUEIRA, C. M. M.; NOGUEIRA, A. N.. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu: Limites e contradições. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 78, Abril/2002.

NOVAES, Luiz Carlos. Os impactos da política educacional paulista na prática docente e na organização do trabalho pedagógico nas escolas estaduais paulistas na perspectiva dos professores. Jornal de Políticas Educacionais, n° 5, Janeiro–junho de 2009, p. 13–26

SANFELICE, J. L. A política educacional do estado de São Paulo. Nuances: estudos sobre Educação, Ano XVII, v. 17, n. 18, p. 146-159, jan./dez. 2010.

REZENDE, F.; OSTERMANN, F. Olimpíadas de ciências: uma prática em questão. Ciências & Educação (Bauru) v.18, n.1, 2012.

QUADROS, A. L; FÁTIMA, A.; MARTINS, D. C. da; SILVA, F. C.; FREITAS-SILVA, G. de; ALEME, H. G.; OLIVEIRA, S. R.; ANDRADE, F. P. de; TRISTÃO, J. C.; SANTOS, L. J. dos. Ambientes colaborativos e competitivos: o caso das olimpíadas científicas. R. Educ. Públ. Cuiabá, v. 22, n. 48, p. 149-163, jan./abr. 2013.

QUADROS, A. L.; FÁTIMA, A.; SILVA, D. C.; ANDRADE, F. P.; SILVA, G. F.; ALEME, H. G.; OLIVEIRA, S. R. Aprendizagem e competição: a olimpíada mineira de química na visão dos professores de ensino médio. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, vol. 10, n. 3, pp. 125-136, 2010.

PARRY, Jim. Olimpismo para o século XXI. Cienc. Cult. vol.68 no.2 São Paulo abr./jun., pp. 49-53, 2016.

PEREIRA, Ricardo Gomes; MARENGA JR, Euclides. A olimpíada brasileira de física no estado de São Paulo e a difusão do conhecimento na Universidade de São Paulo. Revista de Cultura e Extensão USP, vol. 1, jun-jul, pp. 37-42, 2009.

PREUSS, Holger; SCHÜTTE, Norbert; KÖNECK, Thomas; DACOSTA, Lamartine. Valores associados aos jogos olímpicos. Cienc. Cult. vol.68 no.2 São Paulo abr./jun., pp. 43-49, 2016.

SILVA, Renato Cândido. O estado da arte das publicações sobre as olimpíadas de ciências no Brasil. 2016, 78 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

LANGHI, R.; NARDI, R. Ensino da astronomia no Brasil: educação formal, informal, não formal e divulgação científica. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 31, n. 4, 4402, 2009.

VARNIER, T. R.; RIOS, F. G.; RIBEIRO, E. L.; MEDEIROS, A. G. A.; SILVA, O. G. T. Rituais escolares: os jogos e as olimpíadas sob o olhar dos alunos. Coleção Pesquisa em Educação Física, vol. 10, n. 4, pp. 159-166, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2017.v8i2.687

ISSN: 2176-1477