IMPACTOS DO USO DE EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NO ENSINO DE GENÉTICA EM COLÉGIOS DE ENSINO MÉDIO

Emanuel Santana, Cláudia Regina teixeira de Souza, Sheila Fernandes Sampaio

Resumo


A genética passou a ser uma ciência conhecida por muitas pessoas. A mídia tem colocado a genética em evidência, atribuindo o surgimento de muitas doenças tendo o gene como o principal causador. Nas escolas as informações obtidas pela mídia passaram a despertar interesse dos estudantes. Este trabalho visou analisar os impactos causados no ambiente escolar, em função da aplicação em aulas práticas de experimentos de baixo custo em genética, em dois colégios de Ensino Médio do município de Alagoinhas, Bahia. As ferramentas usadas para o desenvolvimento do trabalho foram entrevistas com os estudantes baseadas em questionário. Os estudantes apresentaram maior conhecimento em genética após a utilização das aulas práticas. As atividades experimentais despertaram grande interesse dos estudantes e abordaram os temas de dominância, princípio mendeliano em genética humana, com uso de heredogramas, e herança quantitativa. O trabalho possibilitou contribuição para que a genética fosse melhor conhecida e interpretada pelos alunos e trouxe mudanças na dinâmica das aulas.


Palavras-chave


Genética; Ensino de Biologia; Práticas Educacionais; Parceria Universidade x Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BOZANINI, T.K. (2011). Temas de genética contemporânea e o ensino de ciências: que materiais são produzidos pelas pesquisas e que materiais os professores utilizam? UNEP. Retirado de www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0389-2.pdf.

CAMPOS, M.C.C. E NIGRO, R.G. (1999). Didática de Ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo. FTD.

CHARLOT, B. (2005). Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed.

DENTILLO. D.B. (2009). Divisão Celular: Representação com massa de modelar. Genética na Escola. Retirado de www.biologia.seed.pr.gov.br/arquivos/File/praticas/mitose_massinha.pdf.

DRIVER, R. (1998). Genética y formación científica: resultados de unproyecto de investigación y sus implicaciones sobre los programas escolares y laenseñanza. Enseñanza de las Ciencias. Barcelona.

FALA, A.M.; CORREIA, E.M.; PEREIRA, H.D.M. (2010). Atividades práticas no ensino médio: uma abordagem experimental para aulas de genética. Ciência e Cognição. Vol 15 (1); 137-154. Retirado de www.cienciasecognicao.org.

FRANCELIN, M.M. (2004). Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos. Ci. Inf., Brasília, v.33, n. 3, p. 26-34.

GOLDBACH, T.; MACEDO, A. G. A (2008). Produção científica e saberes escolares na área de ensino de Genética: Olhares e Tendências. In: VII Jornadas Latino-Americanas de Estudos Sociais das Ciências e das Tecnologias, Rio de Janeiro. Retirado de http://www.necso.ufrj.br/esocite2008/trabalhos/36294.doc.

JANN, P.N.; LEITE, M. de F. (2010). Jogo de DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de ciências e biologia. Ciências e Cognição. Vol. 15 (1). 282-293. Retirado de https://pt.scribd.com/doc/94794020/Jogo-do-DNA-um-instrumento-pedagogico-para-o-ensino-de-ciencias-e-biologia.

JUSTINA, L. A. D.; FERLA, M.R. (2006). A utilização de modelos didáticos no ensino de genética – Exemplo de representação de compactação do DNA eucariótico. Arq. Mudi. 10(2): 35-40. eduem.uem.br/ojs/index.php/ArqMudi/article/download/19924/10818.

KRASILCHIK, M. (1996). Prática de Ensino de Biologia. 3. ed. São Paulo: Harbra.

LOPES, ADC; SANT´ANNA, H.P.; MACEDO, M.de C.R.; ALMEIDA, Z.B. (2013) Prática de Cores. Disciplina Laboratório de Ensino de Genética. Curso Ciências Biológicas. UFMG. Retirado de https://youtu.be/LcCbX5f_1w8?t=2.

LUNETTA, V. N. (1991). Actividades práticas no ensino da Ciência. Revista Portuguesa de Educação, v. 2, n. 1, p. 81-90.

MARCELO GARCIA, C. (1999). Formação de professores: para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora.

MORAIS, V.C. da SILVA; SANTOS, A.B. (2016). Implicação do uso de atividades experimentais no ensino de biologia na escola pública. Investigações em Ensino de Ciências. V21(1). Abr. 2016 pp. 166-181. Retirado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/download/243/169.

NASCIMENTO, M. das G. (1999). A formação continuada dos professores: modelos, dimensões e problemática. In: CANDAU, V.M.F. (Org.). Magistério: construção cotidiana. 3. Rio de Janeiro: Vozes.

OLIVEIRA, R.J. (2000). A escola e o ensino de ciências. São Leopoldo: Unisinos.

PIERCE, B.A. (2012). Genética: Um enfoque conceitual. Ed. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro.

SANTOS, A. B. (2009). A Física no Ensino Médio: motivação e cidadania (Relatos de Experiência) Em Extensão, 8 (1), 60-71. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/20381/10851.

SCHEID, N.M.J; DELIZOICOV, D.; FERRARI, N. (2005). A construção coletiva do conhecimento científico sobre a estrutura do DNA. Ciência e Educação. v. 11, n. 2, p. 223-233. Retirado de www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n2/05.pdf.

SETÚVAL, F.A.R.; BEJARANO, N.B.R. (2009) Os modelos didáticos com conteúdos de genética e a sua importância na formação inicial de professores para o ensino de ciências e biologia. VII ENPEC. Florianópolis, SC, Brasil. Retirado de posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1751.pdf.

SILVA, A.C.R. (2005). Os conhecimentos prévios no contexto da sala de aula. Revista Metáfora Educacional. Retirado em 15/03/2017, no World Wide Web. Recuperado de http://www.valdeci.bio.br/revista.php.

SILVEIRA, L.F.S. (2008). Uma contribuição para o ensino de genética. Dissertação. Mestrado em Ciências e Matemática. Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

SNUSTAD, D.P.; SIMMONS, M.J. (2012). Fundamentos de Genética. 4ª. Edição. Ed. Guanabara Koogan.

TARDIF, M. (2003). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

TRIVELATO, Silvia Luzia Frateschi. (1987). O ensino de Genética em uma escola de segundo grau. 1987. 355 f, il. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo.

WORTMANN, M.L.C. (2002). Programações curriculares em Cursos de Ciências Biológicas: um estudo sobre as tendências epistemológicas dominantes. Porto Alegre. UFRGS.




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2176-1477/2017.v8i2.682

ISSN: 2176-1477