PERCEPÇÃO DISCENTE SOBRE A MONITORIA DE MOVIMENTO HUMANO PARA ALUNOS COM BAIXO RENDIMENTO EM AVALIAÇÃO CONTINUADA

Luciene Evangelista Teixeira de Freitas, Luiz Paulo Braat Gerpe, David de Barros Ferreira, Felipe José Jandre dos Reis, Ednéia Aparecida Leme, Adriana Macedo

Resumo


A monitoria é amplamente presente nas instituições de ensino. O aluno a requisita para auxílio com trabalhos e às vésperas das avaliações. Essa procura pontual diminui sua importância enquanto ferramenta para o desenvolvimento da autonomia do estudante. Visando estimular a frequência à monitoria, os alunos de Fisioterapia e Terapia Ocupacional com baixo rendimento em Movimento Humano foram direcionados à monitoria. Periodicamente, eles desenvolveram tarefas preestabelecidas, sob a orientação do monitor. Uma nota de monitoria foi computada na disciplina. Esse trabalho visou avaliar a percepção dos alunos sobre esse processo. Após o término dessa experiência, os alunos foram convidados a responder um questionário que abordava sua percepção e atitude durante a monitoria. Dez alunos responderam o questionário. A monitoria foi percebida como fundamental por alguns, no processo de inclusão. A maioria aponta a sua importância. Todavia, esse entendimento atual não é coerente com a auto-avaliação atitudinal dos alunos.


Palavras-chave


monitoria; educação em fisioterapia; educação em terapia ocupacional; aprendizagem

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2176-1477.2017v8i1.643