ESTRATÉGIAS INTERATIVAS PARA A EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE NO ENSINO DE JOVENS E ADULTOS: UMA EXPERIÊNCIA SOBRE TUBERCULOSE

Lucia Maria Pereira de Oliveira, Anna Cristina Calçada Carvalho, Tania Cremonini Araújo-Jorge

Resumo


Atividade educativa sobre a tuberculose (TB) foi desenvolvida em aulas de Ciências com alunos do Programa de Educação de Jovens e Adultos da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A TB é uma doença infectocontagiosa causada pelo bacilo Mycobacterium tuberculosis. O RJ tem uma das mais altas incidências de TB no Brasil e ocupa o primeiro lugar em relação à taxa de mortalidade. O objetivo foi promover e trocar conhecimentos sobre a TB. Para isso adotou-se a abordagem qualitativa e o uso de questionários, cuja análise indicou um conhecimento limitado sobre a doença por parte dos alunos. A metodologia Freireana e o Arco de Maguerez foram os referenciais teóricos usados. A estratégia didática baseou-se na formulação de textos, em rodas de conversa e em consultas na internet sobre TB. Os alunos participaram ativamente do processo, discutindo a doença e refletindo sobre as situações e hábitos de saúde adotados. O estudo culminou com a apresentação de uma peça teatral e a distribuição de folhetos sobre TB preparados pelos alunos. Essa experiência mostrou a importância de atividades interativas e dinâmicas para promover uma maior participação dos alunos no processo de ensino-aprendizagem, propiciando a compreensão da doença e contribuindo para a promoção da saúde e a prevenção de doenças entre jovens e adultos.


Palavras-chave


educação em saúde; tuberculose; programa de educação de jovens e adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCÊNCIO, R. A.; OLIVEIRA, M. F. VILLA, T. C. S. Community involvement in DOT: aninnovative kind of care to tuberculosis patients in São Paulo State, Brazil. Rev Enferm UFPE, v.4, n.4, 1658-68. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.>. Acesso em: jul 2016.

BERBEL, N. A. N. A. Metodologia da Problematização com o arco de Maguerez: uma reflexão teórico epistemiológica. Londrina: Eduel. 2012.

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE. Recuperado em: . Acesso em: ags 2016.

BISSELL, K.; FRASER, T.; CHEN-YUAN, C.; ENARSON, D. A. Smoking Cessation and Smokefree Environments for Tuberculosis Patients. Paris, France: Internation Union Against, Tuberculosis and Lung Disease. 2010. Disponível em: . Acesso em: jul 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394 de dezembro de 1996. Dispõe sobre e as diretrizes e bases da educação Nacional brasileira. Diário Oficial da União, 20 dez, 1996. Recuperado em: . Acesso em: jul 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Ciência e Tecnologia, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Doenças negligenciadas: estratégias do Ministério da Saúde. Rev Saúde Pública, v. 44, n.1, 200-2. 2010. Disponível em: . Acesso em: jul 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Tratamento diretamente observado (TDO) da tuberculose na atenção básica: protocolo de enfermagem. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: MS, 2011. Recuperado em: . Acesso em: ags 2016.

BRASIL Ministério da Saúde. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília. 2012a. Disponível em: . Acesso em: jun 2016.

BRASIL. Resolução nº 466/2012 de 12 de dezembro de 2012. Estabelece critério sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Bioética. Conselho Nacional de Saúde. 2012b. Disponível em:
Acesso em: jul 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. O controle da tuberculose no Brasil: avanços, inovações e desafios. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília. Ed. MS. v. 44, n. 2. 2014. Disponível em: Acesso em: ags 2016.

DODOR, E. A.; NEAT, K; K. S. An exploration of the causes of tuberculosis stigma in an urban district in Ghana. INT J TUBERC LUNG DIS, v.12 n.9, 1048–54. 2008. Disponível em: . Acesso em: jun 2016.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. 8. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1985.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 30 ed. São Paulo: Paz e Terra. 2011.

Google Scholar. Disponível em: http://scholar.google.com.br/

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA e ESTATÍSTICA. ORÇAMENTO e GESTÃO –Características da população e dos domicílios-Resultados do Universo– Censo 2010. Ministério do Planejamento. 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo010/ caracteristicas apopulacao/resultadosdouniverso.pdf. Acesso em: jul 2016

JESÚS, S. F.; VIEIRA, M. Educação de jovens e adultos: ensinar e aprender sob a perspectiva de Paulo Freire. Rev. Ed. Popular, Uberlândia, v. 3, n.2, 152-160. 2014. Disponível em: . Acesso em: ags 2016

MACIEL, M. S., MENDES, P. D.; GOMES, A. P. A história da tuberculose no Brasil: os muitos tons (de cinza) da miséria. Rev Bras Clin Med. São Paulo, v.3, n.10, 226-30. 2012. Disponível em: .

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador na pesquisa qualitativa: mecanismos para validação dos resultados. 1. (Ed). Rio de Janeiro: Autêntica. 2008.

PAIVA, J. Tramando concepções e sentidos para redizer o direito à educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, v.11, n.33, 1-23. 2006. Disponível em: Acesso em: jun 2016.

PEREIRA, A. L. F.. As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.19, n. 5, 1527-34. 2003. Disponível em: . Acesso em: Jul 2016.

PEREIRA, M. G., SARRICO, L., OLIVEIRA, S.; PARENTE, S. Aprender a escolher: promoção da saúde no contexto escolar. Psicologia: teoria, investigação e prática, São Paulo, v. 5, n.1, 147-58. 2000. Disponível em: . Acesso em: ags 2016.

RABAHI, M. F. Tuberculose e Tabagismo. Pulmão, Rio de Janeiro, v. 12, n.1, 46-49. 2012. Disponível em: . Acesso em: agsl 2016

ROSA, M. V. F. P. C.; ARNOLDI, M. A. G. C. A Entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para validação dos resultados. 1. ed. Autêntica. 2006

SANCHEZ A. I. M.; BERTOLOZZI M. R. Conhecimento sobre a tuberculose por estudantes universitários. Bol Pneumol Sanit, v. 12, n.1, 17-24. 2004. Disponível em: . Acesso em: jul 2016

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Orientações Curriculares para a Educação de Jovens e Adultos: Ciências. Áreas específicas. Rio de Janeiro. 2011. Disponível em: . Acesso em: jul 2016.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÂO. A Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro. 2014. Disponível em: . Acesso em: jul 2016.

TOUSO, M. M., PASCHOAL, M. P., CRISPIM, P. J. A., FREITAS, I. M., RODRIGUES, L., B. B., YAMAMURA, M., PINTO, I. C., MONROE, A. A., PALHA, P. F., FERRAUDO, A. S., VILLA, T. C. S.; ARCÊNCIO, R. A. Social stigma and the families of patients with tuberculosis: a study based on cluster and multiple correspondence analysis. Ciência e Saúde Coletiva, v.19, n.11, 4577-85. 2014. Disponível em: . Acesso em: ags 2016.

WELLER, W. 2007. Tradições hermenêuticas e interacionistas na Pesquisa Qualitativa: A Análise de narrativas segundo Fritz Schutze. 2007. Disponível em: . Acesso em: jul 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Eliminating the catastrophic economic burden of TB: universal health coverage and social protection opportunities. 2013. Disponível em: . Acesso em: ags 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Tuberculosis Report. 2015. Disponível em:




DOI: http://dx.doi.org/10.22407/2017.v8i2.621

ISSN: 2176-1477